Idec: Câmara erra ao aprovar urgência em votação do Cadastro Positivo

Instituto e Coalizão Direitos na Rede entendem que manobra foi utilizada para evitar o debate e divulgam documento destacando os riscos para a sociedade

dados-binario

A Câmara dos Deputados aprovou na noite de terça-feira, 27, um pedido de urgência para a análise do PLP (Projeto de Lei Complementar) 441/2017, que altera as regras do cadastro positivo. Esse movimento, no entanto, é um erro segundo o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), uma vez que pipocam mundo afora casos de mal uso de dados pessoais.

Para Rafael Zanatta, advogado e pesquisador em direitos digitais do Idec, a manobra política é uma maneira dos parlamentares acelerarem a discussão da proposta, diminuindo a possibilidade de debate e incidência da sociedade. “Esse projeto tramitou de forma obscura, sem passar por nenhuma comissão de direitos dos consumidores. Foi costurado entre bancos, birôs, parlamentares e a equipe econômica do governo Temer. A proposta não garante direitos básicos aos consumidores e traz mudanças lesivas, que têm sido amplamente denunciadas pelo Idec”, afirma o pesquisador.

Nesta quinta-feira, a Coalizão Direitos na Rede, da qual o Idec é membro, divulgou uma carta aberta contra a aprovação do PLP. No documento, as entidades reforçam que “sem regras claras sobre uso de informações excessivas, sem responsabilidade objetiva e solidária entre empresas, sem direitos básicos de acesso e retificação de informações pessoais e sem procedimentos para incidentes de segurança” a reforma do cadastro positivo atende aos interesses de empresas. Diz que a situação leva a um “desequilíbrio entre o fomento à análise de risco de crédito e a garantia de direitos básicos”.

A alteração das regras do cadastro positivo é uma das pautas prioritárias do governo desde o ano passado, quando foi proposto e aprovado pelo Senado. Na época, o Instituto e outras 42 organizações de defesa do consumidor enviaram um manifesto à Casa exigindo que o projeto fosse encaminhado para análise da Comissão de Defesa do Consumidor. Contudo, o pedido foi ignorado pelos senadores.

A discussão sobre o projeto será retomada semana que vem, com nova passagem pela Câmara. Se aprovado, o texto irá direto à sanção presidencial.

Cadastro Positivo

Aprovado em 2012, o cadastro positivo é um banco de dados com informações financeiras dos consumidores. Desde sua criação, a adesão ao sistema depende de autorização expressa do usuário. No entanto, o PLP quer acabar com essa regra para o consumidor ser automaticamente incluído no cadastro. Além disso, a proposta elimina a responsabilidade objetiva e solidária das empresas, em caso de vazamento de informações, o que fere o Código de Defesa do Consumidor.

“Não há limites sobre utilização de informações excessivas, como as coletadas em redes sociais. Também não há regras claras para casos de vazamentos de dados pessoais em posse dos birôs e bancos. É inadmissível que, na semana em que o mundo todo está discutindo o caso Facebook e a desproteção de dados pessoais, o Legislativo coloque 120 milhões de brasileiros em bases de cadastro positivo sem a devida proteção a seus dados. Há muito o que se melhorar no projeto de lei e na reforma do cadastro positivo”, reforça Zanatta. (Com assessoria de imprensa)

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10673