Entidades setoriais querem adiar votação do PL das Fake News

Alai, Câmara-e.net e Assespro pedem criação de comissão especial na Câmara dos Deputados para debater mudanças propostas pelo governo ao PL das Fake News. Presidente da Casa, Arthur Lira, quer votar substitutivo na próxima semana.
(Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)
Prédio da Câmara dos Deputados (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)

Um grupo de entidades setoriais representativas de empresas de tecnologia lançou carta pública nesta quarta-feira, 19, pedindo para a Câmara dos Deputados adiar a votação do PL das Fake News (PL 2630/20). O texto deve ir à votação do Plenário na próxima semana.

O substitutivo que será votado ainda não é conhecido. O relator na Casa, Orlando Silva (PCdoB/SP), recebeu uma proposta de mudança do governo no final de março e enviou a deputados uma versão preliminar esta semana. O temor das entidades setoriais é que a votação do texto modificado aconteça sem o devido debate.

“Embora o PL tramite no Congresso há 3 anos, ele é fruto de um processo tortuoso e fechado, e segue desta maneira”, criticam na carta a Alai (Associação Latino-Americana de Internet), a Camara-e.net, e a Federação Assespro. O trio reúne empresas de TI e gigantes digitais.

As entidades cobram a criação de uma comissão especial para debater mais a fundo mudanças no projeto. Dessa forma, a votação do PL das Fake News aconteceria em outro momento.

Entre os tópicos de preocupação com o substitutivo do PL das Fake News que deve ser levado a votação, dizem, estão potencial restrição da liberdade online, possível controle estatal do discurso, aumento da desinformação por falta de um conceito claro de jornalismo, ameaça à publicidade digital e vigilantismo.

Os motivos que levam esse grupo a criticar a proposta do governo são diferentes daqueles de organizações civis ligadas ao ativismo digital.

Confira abaixo a carta integral de Alai, Camara-e.net e Assespro:

CARTA ABERTA – PRECISAMOS DE UMA COMISSÃO ESPECIAL PARA DEBATER O PL 2630/2020

A respeito do anúncio da votação do Projeto de Lei nº 2630/2020 a partir da próxima terça-feira (25/4), as entidades aqui subscritas, representantes do setor de tecnologia, vêm manifestar firme preocupação com a ausência de governança do debate até o momento, bem como com a gravidade das consequências decorrentes da eventual aprovação do texto hoje disponível.

Esforços de regulação de tecnologia são bem-vindos e nós queremos ser parte da construção de uma legislação que responda de maneira eficiente e equilibrada a desafios públicos. Entendemos, por exemplo, que temas como transparência e um processo justo e equânime para moderação de conteúdo e apelação de decisão, entre outros, são relevantes e devem ser objeto de discussão.

É preciso qualificar o debate sobre o PL 2630 e alertar para seus inúmeros riscos. Embora o PL tramite no Congresso há 3 anos, ele é fruto de um processo tortuoso e fechado, e segue desta maneira. Diferentemente do Marco Civil da Internet e da Lei Geral de Proteção de Dados, o PL 2630 nunca foi objeto de consulta pública. O projeto foi aprovado pelo Senado sem uma única audiência pública, nunca passou por uma comissão (nem no Senado e nem na Câmara) e agora tramita informalmente, com um texto que, a poucos dias da votação, não é oficial, nem conhecido da sociedade brasileira.

Na ausência de um texto formal, nos vemos obrigados a comentar a versão informal mais recente, que circula desde ontem, e apontar para seus inúmeros riscos:

1. Restrição da liberdade online. Diversos dispositivos do texto (como dever de cuidado e risco sistêmico) buscam responsabilizar plataformas por conteúdo de terceiros e fazê-las analisá-los sob o aspecto de legalidade (competência privada do Poder Judiciário), criando um perverso incentivo ao vigilantismo e à censura privada por parte das plataformas;

2. Controle estatal do discurso. O PL prevê a criação de uma entidade pelo Poder Executivo que ficaria encarregada de supervisionar o cumprimento das obrigações estabelecidas em lei, inclusive questões relacionadas a discurso. O governo, atual ou futuro, teria a prerrogativa de decidir se as plataformas estão arbitrando conteúdo corretamente e enviesar interpretações sobre o que deveria ou não estar nas plataformas, podendo inclusive determinar o banimento dos serviços;

3. Aumento da desinformação no ambiente online. Sem um conceito claro do que constitui jornalismo e da determinação do que pode ser considerado um veículo de mídia, as plataformas estariam à mercê de maus atores, obrigadas a remunerar inclusive veículos de baixa ou nenhuma qualidade, propagadores de desinformação. Este efeito é potencializado pela proposta ao impedir que provedor de aplicação remova conteúdos jornalísticos, obrigando assim as plataformas a manterem no ar qualquer conteúdo dito jornalístico, seja ele controverso, enganoso ou duvidoso.

4. Ameaça à publicidade digital, prejudicando marcas, criadores e pequenas empresas. Sem nenhuma isonomia com o restante do ecossistema de publicidade, o PL cria diversos embaraços à publicidade digital, inclusive coresponsabilizando as plataformas por conteúdos de anunciantes, e criando um perverso incentivo para que, a partir de notificações de concorrentes (sejam políticos, econômicos ou de outra ordem), as plataformas tenham de censurar anúncios de marcas, criadores e pequenas empresas.

5. Vigilantismo. Obrigações como as impostas pela “análise e atenuação de risco sistêmico” e dever de informar autoridades competentes da suspeita de “que ocorreu ou possa ocorrer um crime” criam incentivos para que as plataformas atuem como um órgão de monitoramento e vigilância, o que deveria ser afastado por qualquer proposta de legislação.

Estamos diante da mais impactante proposta de legislação de Internet em uma década, e, como acima exposto, uma proposta que vem com inúmeros riscos.

Nós pedimos aos parlamentares brasileiros que rejeitem a urgência do PL 2630 e apoiem a criação de uma comissão especial destinada a debater o tema. Isso permitirá mais debate e a produção de consensos que possam mitigar os riscos mencionados.

Reiteramos nossa disposição em continuar dialogando com os poderes constituídos para debater e contribuir com a construção de uma boa regulação de Internet.

Associação Latino-Americana de Internet – ALAI
Câmara Brasileira da Economia Digital – Camara-e.net
Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação – ASSESPRO

Avatar photo

Rafael Bucco

Artigos: 4217