Após 15 anos, digitalização da TV aberta no Brasil entra na fase final

Switch off da radiodifusão deve acabar em dezembro. Mas antes, EAD deverá encerrar trabalhos realizado com recursos do leilão 4G até maio. Anatel aprovou esta semana a liberação de dinheiro para digitalização de uma segunda retransmissora de TV aberta em 16 cidades.

(Crédito: Freepik)

Passados 15 anos da primeira transmissão experimental de TV Digital aberta no Brasil, a digitalização dos sistemas analógicos em todas as cidades se aproxima do fim. O Conselho Diretor da Anatel aprovou nesta semana o remanejamento de R$ 292 milhões em recursos para que o longo processo encerre a derradeira fase 3. Pelo cronograma oficial, 2023 será o último ano do programa de promoção de desligamento do sinal analógico no país, iniciado em 2016.

A proposta de remanejamento, aprovada por unanimidade no dia 30 em circuito deliberativo, libera recursos de juros e gastos com infovias – que passaram ser obrigação do edital 5G -, para a EAD-Seja Digital terminar a implantação de retransmissoras digitais em 1.470 cidades. Também para que implante retransmissoras adicionais em 16 cidades onde uma só não atende toda a população do município.

A lista de cidades que podem se candidatar a uma segunda retransmissora não foi revelada pela Anatel.

Os recursos da digitalização da TV aberta serão também utilizados na distribuição de kits de TV Digital em cidades pequenas, onde há populações sem estes receptores, mas com aparelhos analógicos de TV. A Abert diz que, 1,5 milhão de kits precisam ser distribuídos neste ano.

A EAD chegou a 30 de janeiro com 700 mil kits de receptor e antena digitais no estoque. Mas, segundo o presidente do Gired, o grupo da Anatel que supervisiona o desligamento da TV Analógica no Brasil, todos serão distribuídos. “Pelos cálculos apresentados até o momento, é provável que a EAD precise adquirir mais kits”, afirma Moisés Moreira.

Programa Digitaliza Brasil (PDB)

A instalação de retransmissoras digitais em cidades pequenas, onde as empresas de radiodifusão não encontravam viabilidade econômica, vem acontecendo desde 2021, com início do programa Digitaliza Brasil. A iniciativa prevê que prefeitos solicitem ao Ministério das Comunicações a instalação de novas retransmissoras em suas cidades para realizar a digitalização do sinal local de TV aberta.

Até o momento, 1.434 prefeituras aderiram e foram qualificadas para receber uma retransmissora bancada pelo governo federal com os recursos da digitalização, que por sua vez vieram da venda do espectro de 700 MHz às operadoras de telefonia móvel em 2014.

O projeto se dividiu em três grupos com aproximadamente o mesmo número de municípios, parte já atendida:

  • Grupo 1 (cidades com população maior que 15 habitantes): 553 municípios elegíveis nesse grupo.
    Fase de planejamento: 02/03/2021 a 01/05/2021
    Execução: 01/04/2021 a 26/04/2022
  • Grupo 2 (municípios com população entre 7 a 15 mil habitantes): Existem 605 municípios elegíveis nesse grupo.
    Fase de planejamento: 25/02/2022 a 26/04/2022
    Execução: 27/03/2022 a 20/02/2023
  • Grupo 3 (municípios com população inferior a 7 mil habitantes ou superior a 50 mil habitantes): Existem 543 municípios elegíveis nesse grupo.
    Fase de planejamento: 22/12/2022 a 20/02/2023
    Execução: 21/01/2023 a 30/05/2023

Agora, a EAD vai trabalhar na implantação dessas estruturas restantes, distribuição de kits e finalização do projeto como um todo. Até 30 de junho, precisa apresentar o Relatório Final de Execução de Atividades, o Relatório Contábil e um Parecer formulado por Auditoria Independente para o Gired, que os apresentará ao Conselho Diretor da Anatel. Este vai determinar a data para o fim da EAD e do GIRED, encerrando o processo de digitalização da TV no país.

Abert comemora

A Abert, associação que representa radiodifusores, comemorou a aprovação. Segundo seu diretor de tecnologia, Luiz Carlos Abrahão, a medida de instalar mais retransmissoras em algumas cidades garante que a manutenção do sinal para a mesma população que assiste TV analógica hoje em dia.

“Esses municípios agora deverão solicitar a adesão ao Digitaliza Brasil, se comprometer com cessão do terreno, da segurança das instalações, da energia para ser contemplados. Foi uma proposta que fizemos lá atrás, e que foi agora acolhida”, resume.

A entidade também apresentou a grupos técnicos do Gired proposta para a abertura de edital do Digitaliza Brasil a fim de contemplar cidades que surgiram nos últimos anos. Antes eram consideradas localidades de outros municípios próximos, e agora, emancipadas, podem ter sua própria retransmissora, avalia o executivo.

Abrahão vê como bem sucedida até aqui o desligamento da TV analógica no Brasil. Mas alerta que ao fim do processo, ainda podem haver municípios sem sinal digital. “Tem cidades que não se apresentaram ao PDB, e a menos que tenham feito a atualização de outra forma, correm risco de continuar apenas com o sinal analógico”, afirma.

Avatar photo

Rafael Bucco

Artigos: 4210