Ordenamento de postes e convergência de tecnologias impacta estratégia de produto da Furukawa

Easyfiber, novo produto, é baseado no conceito de multisserviços e conta com integração de software de planejamento e gestão de rede.
Xavier Chiron, gerente de Engenharia de Produto na Furukawa Electric LatAm, apresenta Easyfiber | Foto: Tele.Síntese
Xavier Chiron, gerente de Engenharia de Produto na Furukawa Electric LatAm, apresenta Easyfiber e a estratégia que envolve o novo produto | Foto: Tele.Síntese

A expectativa de uma regulamentação para o ordenamento de postes, combinada ao avanço das tecnologias de comunicação impacta o planejamento do setor industrial. A Furukawa lançou nesta sexta-feira, 17, a Easyfiber, uma solução de cabeamento produzida 100% no Brasil, que busca atender um conjunto de demandas das operadoras e provedores locais, entre elas, a de uma instalação mais “limpa” e “à prova de futuro”.

O gerente de Engenharia de Produto na Furukawa Electric LatAm, Xavier Chiron, explica que o produto está alinhado ao conceito de multisserviços, ou seja, a convergência entre diversas tecnologias – FTTx, 5G, B2B, etc – em uma só rede, funcionalidade que atende prestadoras individualmente e também redes neutras. A estrutura é integrada a um software para planejamento de instalação, rastreabilidade de incidentes e gestão da capacidade.

É possível monitorar a quantidade de portas ocupadas nos terminais e a partir disso. “Se, por exemplo, chega em uma taxa de ocupação de 80%, há previsibilidade para fazer o alívio de rede. Isso significa colocar mais capacidade no mercado para atrair novos clientes”, complementa Chiron.

A estimativa de impacto no custo da instalação é de 11% de acordo com a empresa.

O gerente de Vendas da Furukawa, Rodrigo Sanchez, explica como a preocupação com o ordenamento de postes se reflete no projeto e na modelação da estratégia. “Temos de ser muito econômicos no tamanho do produto, porque outra preocupação das operadoras é a cobrança pela ocupação dos postes. [Demandam por] produtos que fossem leves. E que não conflitassem com as concessionárias”, conta.

Outro ponto ressaltado por Sanchez é a possibilidade de adaptação às mudanças urbanas. “Uma das dores das prestadoras é o posicionamento da rede no local. Por exemplo, se você tem um quarteirão de casas e constrói uma rede horizontal, daqui a pouco tudo vira prédios comerciais ou residenciais, e verticalizo. Então, a ideia aqui é conseguir manusear de forma rápida e de acordo com o movimento da demanda”, acrescenta.

A forma da instalação também é adaptada. “A gente traz o conceito de uma instalação plug in play. Nessa solução, a fibra está praticamente confinada, não precisa fazer fusão, não tem o trabalho de ter que preparar uma instalação em campo”, diz Sanchez

O produto já está no mercado e foi apresentado a empresas durante o evento Furukawa Summit 2024, realizado em Alexânia (GO).

A repórter esteve na Furukawa Summit 2024 a convite da empresa*

Avatar photo

Carolina Cruz

Repórter com trajetória em redações da Rede Globo e Grupo Cofina. Atualmente na cobertura dos Três Poderes, em Brasília, e da inovação, onde ela estiver.

Artigos: 922