Unifique tem queda de 20,16% no lucro no 1º trimestre de 2023

Receita da operadora regional, no entanto, avançou 33,14%, chegando a R$ 204,93 milhões; serviços de internet, TV por assinatura, telefonia e data center abriram o ano em alta
Lucro da Unifique cai no 1º trimestre de 2023
Apesar de queda no lucro, receitas de todos os serviços da Unifique avançaram no 1º trimestre de 2023 (crédito: Freepik)

A operadora regional Unifique divulgou, nesta quarta-feira, 10, os resultados financeiros do primeiro trimestre deste ano, período em que auferiu lucro líquido de R$ 26,24 milhões. O resultado aponta queda de 20,16% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, quando o lucro foi de R$ 32,87 milhões.

A receita operacional líquida da companhia, por outro lado, avançou 33,14% na abertura de 2023, chegando a R$ 204,93 milhões, contra R$ 153,92 milhões do primeiro trimestre de 2022.

“Este aumento é decorrente dos seguintes fatores: (i) ampliação da rede da companhia; (ii) aumento orgânico de sua carteira de clientes; (iii) aquisições de empresas e carteira de clientes nos últimos 12 meses”, afirma a Unifique, em trecho do informe financeiro.

Conforme o balanço, todos os serviços ofertados tiveram alta na receita. O serviço de internet, por exemplo, avançou 28,55%, com o faturamento atingindo R$ 214,85 milhões.

Segundo produto mais expressivo da companhia, a TV por assinatura teve alta de 42,87%, chegando a R$ 25,20 milhões. O serviço de telefonia teve um incremento de 31,81% na receita, totalizando R$ 10,03 milhões. As operações de data center, embora apresentam as menores cifras (R$ 3,57 milhões), tiveram a maior alta do período (109,75%).

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) atingiu R$ 101,3 milhões, registrando alta de 31,48% sobre os R$ 77,06 milhões do período inicial do ano anterior. A margem EBITDA, por sua vez, ficou em 49,43%, taxa levemente inferior à registrada no primeiro trimestre de 2022 (50,06%).

Nesta quarta-feira, a Unifique também informou o mercado que comprou o provedor de banda larga Concórdia ClientCo Telecomunicações, cujas operações ocorrem no território de Santa Catarina. O contrato foi firmado agora, mas a data de fechamento do negócio está prevista para o dia 31 de maio.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 799