Unifique prevê conquistar 60 mil clientes com a rede própria em 2023

Número não inclui os que virão via aquisições; operadora destaca que recentes compras de provedores fazem parte de nova estratégia de aquisição e reafirma intenção de lançar 5G em junho
Unifique tem meta de crescimento orgânico de clientes em 2023
Unifique quer expandir base orgânica de clientes em 2023 (crédito: Freepik)

Embora esteja adquirindo provedores de pequeno porte (PPPs) no mercado, a Unifique também tem planos de ampliação orgânica da base de clientes em 2023. A operadora regional trabalha com a meta de conquistar 60 mil novos assinantes neste ano.

A informação foi confirmada por José Wilson Junior, diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Unifique, em conferência realizada na tarde desta quinta-feira, 11, após a divulgação dos resultados do primeiro trimestre no dia anterior.

“Pode ser mais do que isso [60 mil], mas consideramos esse número adequado para o ano”, afirmou o executivo.

O diretor destacou que, entre janeiro e março, a operadora ampliou em aproximadamente 48 mil o número de novas assinaturas, das quais 14 mil dizem respeito a novos acessos orgânicos.

Vale destacar que a empresa encerrou o primeiro trimestre deste ano com 653,2 mil assinantes, alta de 7,9% em relação ao quarto trimestre do ano passado (605,7 mil) e de 27,7% na comparação com o mesmo período de 2022 (511,5 mil).

Além da conquista de assinantes, José Wilson destacou que a empresa tem adotado medidas para reduzir a taxa de clientes que cancelam o serviço. “A companhia vinha sofrendo no exercício de 2022 com a alta do churn. Então, estamos adotando ações como entrar em contato com o cliente em situação de inadimplência para que ele continue na base e tenha condições de manter o fluxo de pagamento”, explicou.

Estratégia de aquisições

Na quarta-feira, além de reportar os resultados financeiros do primeiro trimestre, a Unifique informou o mercado que adquiriu o provedor de banda larga Concórdia ClientCo “Superline”, detentor de 21,5 mil acessos na região de Concórdia, no estado de Santa Catarina. Em abril, a empresa tinha anunciado a aquisição da Brick Telecom, que atua no Vale do Itajaí, também no território catarinense.

Segundo José Wilson, as investidas fazem parte de uma nova estratégia da companhia para expandir suas operações. O executivo destacou que “os ativos estavam extremamente caros até 2022”, o que inviabilizava fusões e aquisições e prejudicava a rentabilidade desses negócios.

Com isso, a Unifique decidiu comprar apenas o provedor de banda larga e sua carteira de clientes. A transmissão de dados é feita pela infraestrutura alugada de uma empresa que pertencia ao mesmo grupo econômico do provedor adquirido.

“Em processos de aquisição, o outro lado também tem que se estruturar. Ele tem que fazer uma cisão da companhia: criar um CNPJ para alocar a carteira de clientes, separando-o da empresa de infraestrutura”, salientou o executivo da Unifique.

De acordo com ele, nesse modelo de aquisição, a operadora tem o prazo de cinco anos para fazer a compra do ativo de infraestrutura, caso considere interessante.

5G

Na conferência com analistas de mercado e jornalistas, a direção da Unifique reforçou a intenção de lançar a rede 5G em junho. A operadora adquiriu espectro regional no leilão realizado em 2021. Até o momento, o core de rede já está operando e as interconexões estão em estágio avançado, informou a empresa.

“Dentro do que conhecemos, está sob o nosso controle para alcançar esse objetivo até o final de junho, mas, caso aconteça algo que não nos permita operar, vamos levar isso ao conhecimento do mercado”, disse José Wilson.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 717