SAS mantém trajetória de crescimento no Brasil

Oito secretarias estaduais usam o analytics do SAS em seus processamentos tributários. A empresa mira agora os maiores municípios, para ampliar suas vendas.
André Novo, Country Manager do SAS Crédito: Divulgação digitalmoneyinforme
Crédito: divulgação digitalmoneyinforme

Orlando – O SAS mantém os planos para continuar sua trajetória de crescimento no Brasil, afirmou André Novo, country manager da empresa. Em sua avaliação, os  temores de uma recessão econômica global e o aumento do risco nos Estados Unidos, com a alta inflacionária, não atingem o mercado brasileiro e o segmento de Inteligência Artificial e Analytics está em franca expansão, afirmou, em entrevista ao portal, durante o SAS Innovative, promovido na Flórida. “O analytics virou a palavra chave”, completou.

Segundo ele, a decisão da holding de realizar pesados investimentos na nuvem e o desenvolvimento de soluções do SAS para agregar valor à cloud potencializaram bastante o crescimento no Brasil, cujos três segmentos mais importantes para a empresa são o sistema financeiro, governo e telecomunicações. Agora, a corporação ingressa também no mercado de varejo e de bens de consumo com as soluções de analytics.

A decisão adotada internamente, de atuar junto aos governos apenas por intermédio dos parceiros, impulsionou bastante esse segmento, e hoje ele representa entre 30% a 40% do faturamento local da empresa (o SAS apenas divulga os números globais consolidados).

A experiência com os canais será reproduzida para outros mercados latino-americanos. Segundo Thais Cerioni, head de marketing Brasil e gerente de comunicação Sul da América do Sul do SAS, as filias do Peru, Chile e Argentina já foram comunicadas em abril deste ano que, dentro dos próximos 12 a 18 meses, esses mercados passarão a ser atendidos por canais, e não mais diretamente pela empresa. “Será uma mudança gradual”, afirmou ela.

Segundo Novo, os governos estaduais são importantes consumidores dos sistemas da empresa (já são oito as secretarias estaduais clientes), principalmente daqueles voltados para análise, processamento e controle dos impostos. A partir de agora,  o SAS mira também  atender aos maiores municípios brasileiros, que têm volume de dados grande o suficiente para justificar os investimentos em analytics.

No sistema financeiro, que contribui entre 40% a 50% do faturamento do SAS, o segmento de seguros tem crescido bastante. E isso ocorre explicou Novo, porque ele é um dos poucos segmentos que têm ganhos significativos com as altas taxas de juros, visto que o desembolso dos sinistros ocorre em prazos bem mais longos em relação aos recursos arrecadados.

IPO

No ano passado, o SAS anunciou que pretende se capitalizar via mercado de capitais, ingressando na bolsa de valores dos Estados Unidos. Esse ingresso ainda não foi efetivado, pois a empresa está adaptando sua estrutura interna às regras da bolsa de valores. Mas no Brasil o SAS já concluiu essa tarefa. ” Tivemos que ajustar todos os nossos contratos para um único formato padrão”, disse Novo

A jornalista viajou a convite do SAS.

Avatar photo

Miriam Aquino

Jornalista há mais de 30 anos, é diretora da Momento Editorial e responsável pela sucursal de Brasília. Especializou-se nas áreas de telecomunicações e de Tecnologia da Informação, e tem ampla experiência no acompanhamento de políticas públicas e dos assuntos regulatórios.
[email protected]

Artigos: 2156