Poucos lançamentos, mas muita tecnologia no Febraban Tech

A maioria dos stands da Febraban Tech esteve voltada às tecnologias que irão sustentar o Open Finance e o novo sistema financeiro.
Poucos lançamentos, mas muita tecnologia no Febraban Tech - Crédito: Febraban Tech
Crédito: Febraban Tech

Com um público de 25 mil pessoas, o Febraban Tech terminou ontem, 11, com muitas promessas para o futuro de que novos serviços a serem lançados terão tão rápida aceitação como o que foi o Pix. Na feira, que reuniu conhecidas marcas transacionais, com pequenas mas ousadas startups, poucos foram os lançamentos, mas a maioria dos stands estava voltada para apresentar as tecnologias que irão sustentar o open finance e todas as demais demais promessas que irão assegurar os mais e melhores serviços do novo sistema financeiro e “acompanhar toda a jornada do cliente”, novo mantra setorial.

Entre os produtos e serviços mais presentes nos stands estavam as mais diferentes soluções de segurança, que se tornou ainda mais relevante com os pagamentos instantâneos.

Segundo a ACI Worldwide, a adoção de pagamento em tempo real fez o Brasil subir quatro posições no ranking global da empresa, para a quarta posição, passando de 1,3 bilhão de transações para 8,7 bilhões no período de um ano, entre 2020 e 2021.

Para Eduardo Goni, country manager da empresa, o ingresso de novos entrantes com relevância nesse segmento – como os grandes markeplaces de e-commerce – irá demandar a cooperação entre os competidores e também tecnologias mais sólidas. “ A cadeia de pagamento em tempo real irá contar com muitos novos agentes que demandarão sistemas robustos de prevenção à fraudes”, afirmou Goni.

A Quod, por sua vez, que se dedica a um amplo portfólio antifraude, assinala que o Brasil segue como um dos países em que o cybercrime faz mais vítimas e, por isso, a empresa aposta no compartilhamento de casos confirmados de fraudes entre as próprias instituições financeiras.

Já o SAS apresentou durante os três dias do evento um sistema um sistema antifraude, por meio da simulação de uso indevido de um cartão de crédito, com o suporte das tecnologias de reconhecimento facial e inteligência artificial. Já a Diebold Nixdorf, que domina o mercado mundial de máquinas de dispensadores de cédulas, apresentava as suas novas máquinas, voltadas para os novos tempos do dinheiro digital, com soluções de autoatendimento modular, flexível e aberta.

O Grupo Stefanini, por sua vez, promete uma jornada imersiva e completa para o cliente. Empresas do grupo, como Topaz, Saque e Pague e Orbitall Payments, disponibilizam inovação tecnológica que possibilitam uma experiência diferenciada na ponta. “Hoje a Topaz é uma das maiores empresas de tecnologia voltadas para o mercado de banking e líder em soluções de prevenção e combate à fraude e de core bancário”, afirma Jprge Iglesias, CEO da Topaz.

Já a Berghem – Smart Information Security, empresa brasileira de consultoria e serviços de cibersegurança, oferece o hacking ético, que defende como essencial para a verificação de possíveis vulnerabilidades, seja em sistemas internos ou nos aplicativos utilizados pelos clientes das instituições financeiras.

Matteo Nava, CEO da Berghem, chama atenção para a importância e vantagens de os sistemas nascerem seguros, pois “agora, com o método DevSecOps, é possível combinar segurança e negócios. Já ficou para trás a mentalidade de implementar determinada aplicação ou funcionalidade com vistas a acelerar negócios deixando para depois se preocupar com as falhas de desenvolvimento. Hoje está claro que os prejuízos, nesse caso, são bem maiores que as vantagens”, concluiu.

 

 

Avatar photo

Redação DMI

Artigos: 1794