Exército fará swap de fibras construídas com os recursos do leilão do 5G

A Defesa usa atualmente um par de fibra da infovias 00 , os demais 10 pares apagados serão usados por outros players do mercado. Em troca, a Defesa vai também se conectar com as demais infovias.
General Jacy Barbosa Jr, chefe do Centro Integrado de Telemática do Exército brasileiro - Crédito- Bruna-INOVAtic.
-General Jacy Barbosa Jr. Crédito- Bruna, INOVAtic

Belém – A primeira infovia de banda larga, cuja construção foi iniciada em 2015 pelo Exército brasileiro em parceria com a RNP (Rede Nacional de Ensino e Pesquisa) irá se integrar ainda mais a toda a rede de fibra óptica que está sendo construída com os recursos do 5G, no programa de governo Norte Conectado. Segundo o general Jacy Barbosa Jr, chefe do Centro Integrado de Telemática do Exército, já foi firmado o acordo com a Telebras para que as 10 fibras apagadas que estão presentes nos cabos construídos sejam usadas. ¨Na Amazônia, o Estado precisa atuar. É um projeto complexo, mas viável¨, afirmou Barbosa, lembrando que, por exemplo, a recuperação de um cabo de fibra só pode ser feita no próprio rio, que chega a ter 100 metros de profundidade, e pode demorar até duas semanas para ser consertado. O general participou da INOVAtic Pará, evento que começou hoje, 14 em Belém e vai até amanhã, promovido pelo Tele.Síntese e com a curadoria de Juarez Quadros.

Barbosa lembra que a extensão territorial da região amazônica equivale à soma de 14 países europeus e, por isso, entende que a parceria criada entre o governo, com o estabelecimento da política pública, e as empresas privadas que destinaram recursos para a construção das redes e os operadores neutros que vão  prestar o serviço à população e manter as redes é a melhor maneira de fazer avançar a conectividade na região. Ele acredita que, com todas as rotas prontas, será possível diminuir bastante o tempo de resposta em caso de rompimento, pois o tráfego pode ser desviado para os links que estão ativos.

Serão entregues até o final do ano as rotas subfluviais de Tefé (AM) até Atalaia do Norte (AM); Belém (PA) até Macapá (AP), Novo Airão (AM) até Boa Vista (RR). O dinheiro empenhado até o momento, para estes três trechos, é de R$ 287 milhões. O dinheiro do leilão do 5G  para a construção das seis infovias é de R$ 1,34 bilhão.

Os cabos subaquáticos somam 2,3 mil quilômetros, e há também 450 km de cabos ópticos terrestres. As três infovias (02, 03 e 04) fazem parte do programa Norte Conectado, que construirá oito infovias com 12 mil quilômetros de extensão, para conectar 59 municípios.

Evidências

A política pública setorial desenvolvida pelo Ministério das Comunicações é ¨baseada em evidências¨, afirmou Agostinho Linhares, coordenador-geral de Acompanhamento Regulatório de Telecomunicações, e lembrou que, dos R$ 42,2 bilhões referentes ao valor econômico arrecadado no leilão do 5G, 90% deles estarão direcionados para investimentos, cujas obrigações serão cumpridas até 2030.

Além das infovias da Região Norte, Linhares enumerou a cobertura de 35 mil quilômetros das rodovias federais, a conexão de todas as escolas básicas e públicas brasileiras e as metas de atendimento das cidades com o 5G como políticas que irão gerar impacto positivos para toda a economia.

A programação da INOVAtic Pará pode ser vista aqui

Avatar photo

Miriam Aquino

Jornalista há mais de 30 anos, é diretora da Momento Editorial e responsável pela sucursal de Brasília. Especializou-se nas áreas de telecomunicações e de Tecnologia da Informação, e tem ampla experiência no acompanhamento de políticas públicas e dos assuntos regulatórios.
[email protected]

Artigos: 2219