Apple enfrenta restrições de uso do iPhone na China e na França

Governo chinês nega que tenha determinado o banimento de smartphones estrangeiros no setor público; agência francesa indica que iPhone 12 excede o nível de radiação eletromagnética permitida
Apple: iPhone enfrenta restrições de uso na China e na França
Governo da China nega que tenha banido o uso do iPhone, da Apple, e de smartphones de outras marcas estrangeiras (crédito: Divulgação/Apple)

Após uma polêmica envolvendo o uso de smartphones estrangeiros, o governo da China negou, em uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 14, que tenha adotado uma política de banimento a dispositivos móveis de marcas não chinesas.

Reportagens publicadas por veículos de imprensa internacionais, inclusive chineses, indicam que funcionários do governo foram proibidos de usar aparelhos da Apple e de outras fabricantes estrangeiras nos locais de trabalho ou para realizar qualquer tarefa relacionada ao serviço público, mesmo que a distância.

À imprensa, a diplomata e porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning, afirmou que o governo não restringiu o uso de smartphones de empresas de outros países. Além disso, destacou que o governo não tomou nenhuma ação legal ou regulatória para proibir a compra de aparelhos de marcas não chinesas.

No entanto, Mao Ning ressaltou que o governo espera que todos os fornecedores de celulares que operam na China cumpram estritamente as regras de segurança de dados e de proteção de informações pessoais, segundo informações do site “Mobile World Live”.

A diplomata ainda acrescentou que o governo chinês “atribui grande importância” à segurança cibernética e “trata as empresas chinesas e estrangerias como iguais”.

Vale lembrar que, no início deste ano, o governo dos Estados Unidos baniu o aplicativo chinês TikTok dos celulares de funcionários de agências e órgãos federais. Restrições ao uso de equipamentos da Huawei nas redes de telecomunicações também seguem em vigor.

França

Também nesta quinta-feira, a Agência Nacional de Frequências da França (ANFR) determinou que a Apple suspenda as vendas do iPhone 12 imediatamente. A justificativa é de que o aparelho excede o nível de radiação eletromagnética permitida pelos regulamentos da União Europeia (UE).

A deliberação prevê que a Apple convoque um recall de todos os aparelhos iPhone 12 vendidos na França ou corrija o problema por meio de uma atualização de software. A empresa norte-americana, por sua vez, contesta a alegação, dizendo que organismos de padronização certificaram a conformidade do smartphone com os padrões globais de radiação.

O iPhone 12 foi lançado em setembro de 2020. Nesta semana, a Apple anunciou os quatro modelos que fazem parte da família iPhone 15.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 843