CVM: Telebras esclarece prejuízos decorrentes da suspensão do contrato com Viasat

Em resposta a ofício encaminhado pela CVM no dia 3, Telebras diz a empresa está respondendo aos questionamentos feitos pela Justiça e que prejuízos decorrem da não utilização da capacidade civil do satélite brasileiro para programas sociais.

Em comunicado ao mercado publicada hoje, 7, em resposta, a ofício da CVM questionando a empresa sobre a suspensão do contrato entre ela e a Visat pela Justiça do Amazonas, a Telebras esclarece que o contrato continua suspenso e que “há prazo para a exposição à Justiça Federal do Amazonas dos referidos ajustes”.

Esclarece ainda que em relação aos prejuízos mencionados em reportagem veiculada na imprensa e citada pela CVM, eles decorrem da subutilização do satélite e que a sua paralisação, já que tem vida útil de 15 anos, pode gerar um prejuízo diário à empresa de R$ 800 mil.

Explica, ainda, que em decorrência da paralisação do contrato, ficam paralisadas as políticas públicas de conexão à internet das áreas mais remotas do país, prejudicando postos de saúde, escolas e pontos remotos.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10589