Claro, TIM e Vivo querem desconto de R$ 3 bilhões pela Oi Móvel.

Claro, TIM e Vivo, querem desconto de R$ 3,2 bilhões pela compra da Oi Móvel. O negócio foi fechado por R$ 16,5 bilhões, em dezembro de 2020. A Oi, por sua vez, alega que há equívocos na metodologia, nos critérios, nas premissas e na abordagem adotados pelas compradoras
Operadoras querem desconto pela Oi Móvel Crédito: Renata Mello
O ajuste pós-fechamento poderá cair em arbitragem . Crédito: Renata Mello

A Oi divulgou hoje, 19, fato relevante informando que discorda da posição de Claro, TIM e Vivo, que querem desconto de R$ 3 bilhões pela compra da Oi Móvel. O negócio foi fechado por R$ 16,5 bilhões, em dezembro de 2020, mas o contrato previa um ajuste de contas a ser feito no final do processo. Para isso, ficou retido pela Oi um valor de R$ 1,447 bilhão, depositado pelas três empresas, mas as compradoras alegam que não só têm direito a receber esse montante de volta, como a Oi a inda deveria devolver mais R$ 1,739 bilhão.

No fato relevante, a Oi informa aos acionistas que ,discorda veementemente do Valor do Ajuste Pós-Fechamento pelas Compradoras, e entende que o cálculo do Valor do Ajuste Pós-Fechamento pelas Compradoras apresenta erros procedimentais e técnicos, havendo equívocos na metodologia, nos critérios, nas premissas e na abordagem adotados pelas Compradoras e seu assessor econômico KPMG (KPMG Assessores Ltda.). Além disso, a Notificação Compradoras não observou os termos e condições dos documentos da operação, não apresentando documentos e informações obrigatórios para a Notificação de Ajuste Pós-Fechamento, como expressamente exigidos nos documentos da operação”.

Arbitragem

Agora, conforme o comunicado, a Oi tem 30 dias para ingressar com uma Notificação de Discordância à proposta de desconto pela Oi Móvel feita pelas compradoras, quando os dois lados terão mais um mês para buscar um acordo. Não ocorrendo esse acordo, tanto as compradoras como a Oi poderão, então pedir a intervenção de uma auditoria independente, a ser contratada pelas compradoras, quando a auditoria terá mais 30 dias para emitir o seu parecer.

Os valores que as empresas alegam ter direito são:

Da parcela retida – no montante de R$ 1.447.475.981,95

TIM – R$ 634.329.423,16

Vivo-  R$ 488.458.781,03

Claro – R$ 324.687.777,76

Da parcela a maior que a Oi deveria devolver – no montante de R$ 1.739.446.118,79

TIM – R$ 768.974.532,35

Vivo –  R$ 587.002.011,99

Claro –  R$ 383.469.574,45

Indenização

Além do desconto pela Oi Móvel, as três operadoras alegam também ter direito a indenização por questões relacionadas a imóveis da Oi. Elas reivindicam mais R$ 353,3 milhões da rubrica “perdas conhecidas”. A Oi também discorda dessa reivindicação e assegura que em 10 dias enviará às compradoras os documentos para fundamentar sua posição e espera que o acordo seja firmado cinco dias após a documentação ter sido enviada. Se não houver acordo, nova arbitragem deverá ser aberta.

TIM e Vivo

TIM e Vivo também publicaram fatos relevantes sobre os ajustes pós-fechamento e alegam que há divergências em Capital de Giro e Dívida Liquida, Capex, e ajustes na base de clientes da Oi Móvel.

 

 

Avatar photo

Miriam Aquino

Jornalista há mais de 30 anos, é diretora da Momento Editorial e responsável pela sucursal de Brasília. Especializou-se nas áreas de telecomunicações e de Tecnologia da Informação, e tem ampla experiência no acompanhamento de políticas públicas e dos assuntos regulatórios.
[email protected]

Artigos: 2174