Claro fica com frequência arrematada pela Clivo em leilão das sobras

O leilão de sobras de frequências de 1,8 GHZ, e 2,5 GHz em FDD e TDD foi realizado no segundo semestre de 2015 pela agência.

ondas frequencia wikimedia

O Conselho Diretor da Anatel recusou hoje, 22, o recurso administrativo da Clivo Participações, empresa que já tinha perdido em agosto o direito de ficar com as frequências de banda larga móvel em 2,5 GHz (FDD) que tinha arrematado no leilão promovido pela Anatel no ano passado.

Ela disputou o lote E-8 que aglutina os municípios paulistas com o DDD 14 (menos três cidades, entre elas Bauru) com a Claro, levando a faixa por R$ 120 mil e ágio de 88%. Mas a concorrente pediu para ver a documentação recorreu à habilitação da agência quando constatou que a empresa não tinha em seu estatuto autorização para explorar serviço de telecomunicações, nem conseguiu comprovar a capacidade econômico-financeira, regras do edital.

O conselho diretor da Anatel acabou desclassificando a empresa, e repassando o lote para a segunda colocada, que é justamente a Claro. A Clivo chegou a recorrer ao Tribunal de Contas da União, que também não acolheu os seus argumentos. Hoje, mais  uma vez seu recurso foi indeferido.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10597