Edital de sobras: publicada súmula que converte caducidade em sanção mais leve

Flexibilidade vale em caso de sancionamento devido à não observância do prazo de entrada em operação do sistema nas faixas de 1.800 MHz, 1.900 MHz e 2.500 MHz. Súmula foi publicada nesta segunda-feira.
Edital de PPPs: Anatel firma hipótese que converte caducidade em sanção menos gravosa Sede da Anatel em Brasília | Foto: Carolina Cruz/Tele.Síntese
Flexibilização da caducidade pela Anatel beneficia pequenos provedores | Foto: Tele.Síntese

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) publicou nesta segunda-feira, 2, a Súmula 24, que prevê a conversão da caducidade – extinção da autorização – em sanção menos gravosa caso a prestadora não dê entrada na operação do sistema de telecomunicação, especificamente quanto à licitação n. º 2/2015, das faixas de 1.800 MHz, 1.900 MHz e 2.500 MHz. A medida foi assinada na última sexta-feira, 29.  

A licitação em questão, concedeu autorização para prestação do Serviço Móvel Pessoal (SMP), Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) e Serviço Limitado Provado (SLP), que atendeu diversos pequenos provedores.

Conforme as normas da Anatel,  a partir da data de publicação do ato de autorização de uso de radiofrequências no Diário Oficial da União, começa a contar um prazo para utilização efetiva, em caráter definitivo, nos termos do ato de autorização do serviço associado, não superior a 18  meses, prorrogável uma única vez, por não mais que um ano, se o interessado comprovar caso fortuito ou força maior.

A Súmula vem padronizar e agilizar decisões que acabavam dependendo do Conselho Diretor, já que a decisão sobre a extinção de Outorga de Serviços de Telecomunicações e de Direito de Uso de Radiofrequências que decorram de procedimento licitatório é de competência do colegiado.

O relator da Súmula, conselheiro Vicente Aquino, destacou em seu parecer que “embora a criação [da mesma] tenha como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para assegurar a uniformidade nas decisões tomadas em casos similares, é importante compreender que não haverá qualquer delegação de competência deste Colegiado aos demais órgãos da Agência para aplicar sanções em processos que apuram esse tipo de irregularidade”.

A flexibilização também recebeu parecer da Advocacia Geral da União (AGU) em processo analisado pela autarquia neste ano. “O ponto é que, em maior ou menor grau, a depender do caso concreto, sempre haverá uma margem de discricionariedade administrativa na aplicação de sanções. Trata-se de uma garantia dos próprios cidadãos, uma vez que cada caso merece uma solução justa de acordo com as suas particularidades – respeitadas, é claro, os limites e as determinações legais”, opinou o órgão

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10667