CGI.br critica PL que muda trâmite de dados entre provedores e autoridades

Projeto de lei cede a lobby de promotores e delegados para ampliar a possibilidade de requerer armazenamento e compartilhamento de informações de usuários investigados sem aval prévio da Justiça.
CGI.br critica PL que muda trâmite de dados entre provedores e autoridades
Por lei, provedores precisam preservar dados pessoais que podem ser requisitados em investigações | Foto: Freepik

O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) divulgou nota nesta segunda-feira, 19, contra o avanço de uma proposta de lei que muda as regras para o compartilhamento de dados pessoais de usuários entre provedores e autoridades – como a dispensa de autorização judicial prévia para pedir informações, que consta na norma em vigor, e a ampliação do tipo de dado a ser disponibilizado pelas empresas. A entidade defende que o trâmite em vigor, previsto no Marco Civil da Internet (MCI), não seja alterado. 

Trata-se do substitutivo ao Projeto de Lei (PL) 113/2020, apresentado pelo senador Astronauta Marcos Pontes (PL-SP) em novembro do ano passado. Na prática, a proposta cede a reivindicações de promotores e delegados para encurtar o caminho até a determinação de armazenamento e compartilhamento de dados de usuários investigados. 

O Marco Civil da Internet prevê que os provedores deverão manter os respectivos registros de acesso a aplicações de internet, sob sigilo, em ambiente controlado e de segurança, pelo prazo de 6 meses. A lei em vigor prevê ainda que a autoridade policial ou administrativa ou o Ministério Público, pode requerer cautelarmente que sejam guardados os “registros de conexão”, desde que formalize o mesmo à Justiça em até 60 dias e só poderá ter acesso a determinados dados após uma decisão judicial. 

Os registros de conexão a serem preservados por lei atualmente são aqueles “referentes à data e hora de início e término de uma conexão à internet, sua duração e o endereço IP utilizado pelo terminal para o envio e recebimento de pacotes de dados”. 

Já a proposta de lei aumentaria o prazo de armazenamento dos dados para três anos e excluiria a necessidade de autorização judicial para que as empresas guardem as informações por prazo maior. O PL também determinaria que provedores de aplicações de internet guardem dados de geolocalização e a porta de endereço IP, além de mencionar a possibilidade de requerer a preservação de registros “de aplicações de internet”, que é mais amplo que o “registro de conexão” atualmente previsto na lei. 

A título de exemplo de quando se pede além dos registros de conexão é o julgado recentemente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no HC 222141 o qual investigadores solicitaram a guarda  de “IMEI’s coletados nas contas vinculadas aos investigados, informações cadastrais, histórico de localização e pesquisas, conteúdo de e-mails e iMessages/hangouts, fotos e nomes de contatos” e a legitimidade para tal foi negada pela Corte (saiba mais abaixo).  

No Legislativo, ao justificar a proposta, o senador afirma que, a ampliação dos dados a serem armazenados “são fundamentais para facilitar as atividades de investigação e são utilizadas pela maioria das aplicações de internet”.

Sobre a aplicação do prazo de seis meses para três anos, o senador apresenta como referência um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, que pactuou com prestadoras de serviços de telecomunicações e provedores de aplicações de internet o armazenamento de dados por, pelo menos, três anos.

O que diz o CGI.br

O CGI.br entende que o texto proposto “no sentido de ampliar o prazo de armazenamento de dados, incluindo a geolocalização do usuário, porta de acesso do endereço IP e autorizar o acesso aos registros sem ordem judicial, confronta as salvaguardas previstas no MCI e na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)”.

“A coleta e armazenamento excessivo de dados pessoais, incluindo dados pessoais sensíveis, além de significar grande aumento de custos, podem facilitar modelos de negócio abusivos, e aumento do risco de expor esses dados a incidentes de segurança, complexificando ainda mais as necessidades e capacidades técnicas para o devido tratamento dos mesmos, confrontando as relevantes conquistas trazidas na LGPD”, consta na manifestação da entidade.

O CGI.br ressalta, ainda, que a defesa da manutenção da exigência de autorização judicial para acesso aos registros, “garante os princípios do contraditório e da ampla defesa, que, em vias judiciais, é legalmente estabelecido e caracterizado pela imparcialidade do juízo, bem como o seu não enquadramento como autoridade acusatória”. 

O Comitê apoia apenas um dos pontos do substitutivo, que é a exclusão da obrigatoriedade de exigência de apresentação de número de CPF ou CNPJ do usuário para a criação de perfis na Internet, medida que estava prevista no texto inicial, de autoria do senador Angelo Coronel (PSD/BA).  Para a entidade, a regra “ampliaria de modo desproporcional e excessivo os dados sob controle de provedores e os riscos de vazamento para usuários”.

No STF

Ao analisar um pedido do Ministério Público Federal (MPF) que discutia a legitmidade do pedido de armazenamento de dados encaminhado à Apple e ao Google no ano passado, que descumpriu prazo e tipo de dado previsto na lei,  o então magistrado Ricardo Lewandowski, atual ministro da Justiça, destacou que garantias constitucionais preservam o direito dos usuários.

“A possibilidade de o cidadão administrar e dispor sobre o conteúdo pessoal de e-mails, mensagens, contatos e históricos de localização é uma garantia individual enrijecida pelo direito à preservação da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas”, […] e somente pode ser mitigada sob a ótica constitucional nos casos expressamente autorizados por lei e, no que importa no caso concreto, nos limites estritos dessa autorização”, afirmou Lewandowski no caso.

Avatar photo

Carolina Cruz

Repórter com trajetória em redações da Rede Globo e Grupo Cofina. Atualmente na cobertura dos Três Poderes, em Brasília, e da inovação, onde ela estiver.

Artigos: 831