Banda larga fixa supera banda larga móvel em domicílios, diz IBGE

PNAD TIC apresentou resultados do quarto trimestre de 2021. Rede fixa chega a 83,5% e cai percentual para móvel nas residências.
Banda larga fixa supera banda larga móvel em domicílios, diz IBGE
(Crédito: Jefferson Rudy/Agencia Senado)

Em 2021, pela primeira vez na história, a proporção de domicílios com uso de banda larga fixa superou a de clientes banda larga móvel – 3G ou 4G. Este é um dos dados apurados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, no módulo temático sobre Tecnologia da Informação e Comunicação (PNAD Contínua TIC), divulgada nesta sexta-feira, 16, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A pesquisa analisou o quarto trimestre de 2021 considerando residências particulares permanentes, e é a primeira análise com este recorte após o início da pandemia de Covid-19, pois houve redução nos levantamentos neste período, incluindo para os serviços de TIC. O monitoramento do IBGE é o único que aborda domicílios, já que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) contabiliza os acessos por usuário.

Em números, os domicílios do país com acesso à internet passaram de 84% para 90% entre 2019 e 2021. Entre eles, o percentual dos que usavam banda larga móvel caiu (de 81,2% para 79,2%) enquanto que o uso da banda larga fixa cresceu (de 78% para 83,5%).

As famílias que utilizam os dois tipos de conexão em casa, fixa e móvel, passou de 59,4% para 63%, já aquelas que usavam apenas a rede 3G ou 4G  caiu de 21,2% para 15,3% ao passo que aquelas que usam exclusivamente a conexão fixa na residência cresceu de 18,1% para 19,2%.

Para Flávia Vinhaes, analista do IBGE,  é preciso acompanhar nas próximas edições do IBGE se a predominância da rede fixa vai se manter. “A gente acredita que com a pandemia, pessoas trabalhando em casa, a busca pela banda larga fixa tenha sido maior [neste contexto]”. A análise do instituto também considera entre os fatores que impactaram no resultado a maior oferta de internet por provedores, descentralizando o acesso.

Por região

A Região Norte é a que registrou menor acesso à banda larga fixa. Apesar disso, houve avanço de 54,7% para 70,5% entre 2019 e 2021. No mesmo período, os domicílios nas demais regiões do país têm acesso acima de 80%.

Quanto à banda larga móvel nas residências, o menor percentual foi apurado na Região Nordeste (62,2%) e o maior, na Região Sudeste (87,2%).

Regionalmente, a presença da banda larga móvel era maior que a fixa apenas nas Regiões Norte e Sudeste, de acordo com o levantamento.

Dispositivo e Renda

O rendimento real médio per capita das famílias em que usam internet em casa
era de R$ 1.480 mil no final de 2021. Contudo, a renda varia a depender do tipo de dispositivo utilizado. Veja:

  • Tablet : per capita de R$ 3 mil.
  • Microcomputador: per capita de R$ 2. 296
  • Televisão: per capita de R$ 1. 985
  • Celular: R$ 1.479

O celular segue como protagonista no acesso à internet, utilizado em 99,5% das residências com rede disponível. Em segundo lugar, aparece a televisão (44,4%), seguida pelo microcomputador (42,2%) e do tablet (9,9%).

Entre os 7,3 milhões de domicílios do país em que não havia utilização da Internet, os três motivos que mais se destacaram foram: falta de interesse em acessar a Internet (29,3%), serviço de acesso à Internet era caro (28,8%) e nenhum morador sabia usar a Internet (27,1%).

Avatar photo

Carolina Cruz

Repórter com trajetória em redações da Rede Globo e Grupo Cofina. Atualmente na cobertura dos Três Poderes, em Brasília, e da inovação, onde ela estiver.

Artigos: 884