A nuvem exige responsabilidade compartilhada pela segurança

Embratel, VMWare, Huawei Cloud e Deloitte apontam que para que o ecossistema avance na segurança dos dados, o cliente e o fornecedor de solução de nuvem devem atuar juntos.
Nuvem e segurança Crédito: Freepik
Crédito: Freepik

Muitas são as opções de serviços em nuvem atualmente: multicloud, private cloud, public cloud, edge cloud, telco cloud ou até metacloud. Mas, para todos os casos, alertaram executivos do setor, a segurança dos dados deve ser encarada como de responsabilidade compartilhada entre o cliente e o fornecedor da solução.

” Os protocolos de segurança devem ser seguidos por todos”, assinalou Diuliana Campos, diretora de Serviços Cloud B2B da Embratel, em painel do Futurecom 2023. ” Ninguém nunca pode sentir que está em zona de conforto e relaxar nos quesitos da segurança”, completou Edson Stein,  executivo de contas especialista em telecom da VMWare. Fernando Penna, da Huawei Cloud, por sua vez, disse que a segurança dos dados em nuvem é preocupação número 1 da empresa. E citou o exemplo da China, onde o maior banco comercial de lá já conta com 500 milhões de correntistas, o que é mais do que o dobro da população brasileira, tornando o tratamento dos dados seguros em um exemplo diário. “Não por acaso as empresas de nuvem pública investem bilhões anualmente para assegurar inovação, mas também muita segurança ao dado”, disse o executivo.

Segundo Marlisio Campos, diretor da Deloitte, em 2020, a capacidade de processamento da nuvem já tinha superado a dos datacenters tradicionais e, em dez anos, a projeção é que 80% dos dados estejam na nuvem e 20% no modelo tradicional.

Os painelistas concordaram que, ao se levar o tratamento de dados para as pontas através da edge cloud, os riscos e a complexidade na gestão desses dados também aumentam bastante, mas a ampliação da edge cloud, avaliam, é irreversível, por demanda do próprio mercado. E, para oferecer mais ferramentas para que o cliente consiga administrar tantas opções, a Embratel, disse Diuliana, está implementando a MetaCloud, plataforma de “orquestração” dos diferentes ambientes.

Avatar photo

Miriam Aquino

Jornalista há mais de 30 anos, é diretora da Momento Editorial e responsável pela sucursal de Brasília. Especializou-se nas áreas de telecomunicações e de Tecnologia da Informação, e tem ampla experiência no acompanhamento de políticas públicas e dos assuntos regulatórios.
[email protected]

Artigos: 2226