Telefonia fixa perde 640 mil linhas em abril e 3 milhões em 12 meses

Cancelamentos do serviço voltaram a acelerar em abril; TV por assinatura também segue em queda, com 195 mil contratos rompidos no mês e 2,3 milhões no intervalo de um ano
Telefonia fixa perde 3 milhões de linhas em 12 meses até abril
Telefonia fixa perde 640 mil linhas em abril (crédito: Freepik)

Após reduzir o ritmo de perdas em março, os desligamentos do serviço de telefonia fixa voltaram a acelerar em abril. Foram 640 mil linhas canceladas no quarto mês de 2024, recorde do ano até aqui, superando por uma pequena margem as desativações registradas em fevereiro (638 mil).

Os dados, divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), mostram que o Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) encerrou abril com 23,91 milhões de linhas ativas no País, baixa de 2,6% na comparação com o total de março (24,55 milhões).

Em 12 meses, o número de cancelamentos do serviço é alarmante. Em abril de 2023, havia 26,94 milhões de linhas fixas no País. Portanto, no intervalo de um ano, 3,03 milhões de acessos foram descontinuados. Em termos percentuais, a queda anual é de 11,3%.

A Claro, líder no segmento com 7,18 milhões de linhas fixas, perdeu 43 mil acessos no quarto mês do ano. Os desligamentos da Oi somaram 83 mil, com a base caindo para 6,37 milhões.

A Vivo também não escapou dos cancelamentos, que totalizaram 61 mil linhas descontinuadas. A operadora, com isso, ficou com 6,16 milhões de acessos ativos. Com uma base menor (1,02 milhão), a Algar perdeu 12 mil clientes de telefonia fixa em abril.

Os dados da Anatel mostram que, em termos de outorga, a maior parte do serviço é ofertada pelas empresas no regime de autorização (54,6%). As concessionárias representam 45,4% desse mercado.

TV paga

Assim como a telefonia fixa, a TV por assinatura segue em declínio no País. O serviço encerrou abril com 10,85 milhões de clientes, baixa de 1,8% na comparação com março (11,05 milhões). Foram 195 mil contratos rompidos no quarto mês do ano.

No intervalo de 12 meses, houve 2,38 milhões de cancelamentos – eram 13,23 milhões de acessos em abril de 2023. A contração anual é de 18%.

As empresas que lideram o segmento perderam clientes em abril. A Oi registrou 71 mil desconexões, com a base caindo para 1,27 milhão. Tanto a Claro (5,16 milhões de assinantes) quanto a Sky (3,13 milhões) registraram 59 mil rompimentos de contratos.

Vale lembrar que os números dizem respeito ao modelo de TV por assinatura regulado pela Lei do Serviço de Acesso Condicionado (SeAC), como os serviços de TV a cabo e por satélite. Ou seja, planos de TV por streaming não integram os números.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 840