STF analisa taxas para instalação de antenas em Manaus e Guarulhos

Abrintel, autora dos processos, questiona normas que dificultam a instalação de infraestrutura, editadas pelos municípios. Associação alega que governos locais invadiram competência da União.

STF analisa taxas de instalação de antenas em Manaus e Guarulhos | Foto: Freepik

O Supremo Tribunal Federal (STF) analisará as taxas de instalação de antenas de telefonia em Manaus (AM) e Guarulhos (SP). O tema chegou à Corte por meio de processos abertos pela Associação Brasileira de Infraestrutura para Telecomunicações (Abrintel).

No caso de Manaus, a Abrintel questiona duas normas – Lei Complementar nº 17/2022 e lei Municipal nº 2.384/2018 – que, sob iniciativa local, impõem exigências adicionais para a instalação de antenas. A associação alega que apenas a União poderia explorar e legislar sobre os serviços de telecomunicações, conforme entendimento do próprio STF (saiba mais abaixo).

As condições em questão estariam dificultando o investimento das operadoras na região. O preço para licenciamento em Manaus pode chegar a até R$ 70 mil, enquanto que o preço médio de licenciamento de torres praticado por órgãos municipais é de R$ 1,4 mil, de acordo com levantamento mais recente da Abrintel.

Em nota ao Tele.Síntese, a associação afirma que até considera a lei de Manaus “boa”, “mas a taxa fixada inviabiliza até a permanência e a regularização das estruturas existentes, para as quais já foram apresentadas cobranças acima dos 300 mil reais para uma infraestrutura”.

O tema é objetivo da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 1064), protocolada em 12 de maio. Na última quarta-feira, 17, o relator do processo, ministro Gilmar Mendes, solicitou informações ao município de Manaus, além de manifestação da Advocacia-Geral da União (AGU) e da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Já o processo sobre Guarulhos é a ADPF 1063, que com justificativa semelhante, pede a revisão de dispositivos que podem dificultar o processo de licenciamento e alega que municípios não teriam atribuição para legislar sobre os serviços de telecom. A Abrintel questiona a Lei Municipal nº 7.972/2021 e o Decreto Municipal nº 39.370/2022.

“Na prática, as leis [questionadas] legitimam diversas autuações administrativas arbitrárias e consequentes prejuízos econômicos substanciais ao setor de telecomunicações, muito embora as empresas do setor já possuam o licenciamento para instalação e operação das estações, obtido pelo competente processo de certificação federal da Anatel, bem como já realizem o pagamento da taxa de instalação e fiscalização de funcionamento de antenas instituída por essa agência federal, que detém competência para tanto”, resume a associação na petição.

O pedido é de 11 de maio, está sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes e não tem despachos até a última atualização desta reportagem.

A Abrintel afirma que procura os municípios antes de judicializar os casos e que está em diálogo com outros Estados além de Guarulhos e Manaus. “Normalmente as questões sobre taxas de licenciamento são discutidas administrativamente com os municípios, sendo o desafio da lei na esfera judicial uma medida extrema, quando realmente há uma restrição absoluta à instalação ou à continuidade das infraestruturas de suporte”, afirma em nota.

O que o STF já decidiu

No final do ano passado, o STF julgou a possibilidade de municípios editarem leis que interferem nas taxas para instalação de antenas ao analisar um recurso da Tim contra taxa do município de Estrela D’Oeste (SP). A Corte decidiu que “a instituição de taxa de fiscalização do funcionamento de torres e antenas de transmissão e recepção de dados e voz é de competência privativa da União”.

Neste julgamento (RE 776.594), a Corte também reconheceu que o Município pode definir algumas regras. No entanto, não se sobrepõem às normas federais.

“A competência dos Municípios para disciplinar regras sobre uso e ocupação do solo, bem como a instituição de taxas decorrente de seu poder de polícia, não podem sobrepor-se à competência da União para uniformizar as regras sobre os serviços de telecomunicações”, consta no acórdão do relator, ministro Dias Toffoli.

Avatar photo

Carolina Cruz

Repórter com trajetória em redações da Rede Globo e Grupo Cofina. Atualmente na cobertura dos Três Poderes, em Brasília, e da inovação, onde ela estiver.

Artigos: 912