Ministério da Justiça e Anatel estudam medidas para coibir o uso de celulares roubados

Ministério se reuniu com Google e Meta para colher impressões sobre propostas do governo que visam combater esse tipo de crime.
Ministério da Justiça e Anatel estudam novos tipos de bloqueio para celular roubado | Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
MJSP se reúne com representantes das plataformas para discutir aprimoramento do bloqueio de celular roubado | Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) discutem alternativas tecnológicas que possam coibir o roubo e furto de celulares no país. Entre as medidas em estudo estão formas aprimoradas de bloquear o uso do aparelho e dos aplicativos após o crime. 

A medida foi um dos desafios destacados pelo presidente da Anatel, Carlos Baigorri, durante discurso no Seminário Desafios do Ecossistema Digital: Redes, Plataformas e Novos Serviços, realizado na última semana, na sede da autarquia. Já nesta quarta-feira, 10, o MJSP se reuniu com representantes das plataformas digitais (saiba mais abaixo).

O diálogo do MJSP com outras instituições é acompanhado pelo secretário-executivo da pasta, Ricardo Cappelli, que está em contato com equipe da Anatel para pensar em soluções. Segundo Baigorri, a agência compartilhou com o ministério que o Grupo Técnico de Suporte à Segurança Pública (GT-Seg) também busca formas de apoiar alternativas “para impedir que o furto e o roubo de celulares seja uma atividade rentável”.  

Plataformas e bancos 

A busca por novos tipos de bloqueio para celular roubado também pautou reuniões entre o MJSP e representantes das plataformas digitais. Nesta quarta-feira, 10, o ministério ouviu o Google e a Meta. Em nota do pasta, Cappelli afirma que o encontro buscou colher as opiniões e sugestões das plataformas e avançar na possibilidade de colaboração.

“Queremos reduzir essas ocorrências, porque o aparelho celular roubado não terá mais funcionalidade para o criminoso e para o receptador. Se tornará apenas um pedaço de metal”, afirmou o secretário-executivo.

Segundo o ministério, “tanto a Meta quanto o Google colocaram-se à disposição para colaborar com saídas tecnológicas e, nos próximos dias, participarão de reuniões com os técnicos envolvidos para dar prosseguimento aos trabalhos”.

Nas últimas semanas, o ministério também se reuniu com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e afirma que a entidade também colabora com a pasta.  

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10485