Haddad é novo ministro da Fazenda; relembre propostas para telecom

Anúncio foi confirmado por Lula nesta sexta-feira, 9. Quando candidato à presidência da República, Haddad defendeu descontingenciamento do Fust e cumprimento das metas de conectividade.
Haddad é novo ministro da Fazenda; relembre propostas para telecom
(Foto: Sérgio Silva/PT)

O presidente da República eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, anunciou nesta sexta-feira, 9, o economista Fernando Haddad como novo ministro da Fazenda. O futuro presidente também anunciou Rui Costa na Casa Civil, Flávio Dino na Justiça, Mauro Vieira nas Relações Exteriores e José Mussi na Defesa.

Quando candidato à Presidência da República, Haddad compartilhou sua visão sobre o setor de telecomunicações (relembre as propostas mais abaixo).

A atual pasta de Economia será desmembrada em três: Ministério da Fazenda;  Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, que vai cuidar do BNDES,  e Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

De acordo com Lula, a escolha dos demais chefes das pastas de Economia levará em conta o alinhamento com as estratégias de Haddad.

“O perfil do ministério será o perfil de um cara que esteja apto e afinado com o ministério da Fazenda […] É preciso que pensem juntos para que não haja muita divergência”, afirmou o futuro presidente.

Haddad e telecomunicações

Em 2018, Haddad compartilhou com o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) suas propostas para o setor de telecomunicações. Uma das posições manifestadas foi em defesa do “descontingenciamento e redefinição do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (FUST) de forma a viabilizar a universalização da telefonia e da internet com a massificação da banda larga fixa”.

À época, Haddad também se posicionou pela cobraça do cumprimento das metas de conectividade 4G e 3G, inclusive com uma nova política nacional de banda larga e modificação da Lei Geral de Telecomunicações.

Ao Ideb, o futuro ministro da Economia também havia manifestado buscar solução de problemas regulatórios graves de descumprimento dos direitos do consumidor nos serviços de telecomunicações.

Neste ano, Haddad criticou a estratégia do atual governo de privatização das estatais. A visão está de acordo com a recomendação do GT de Ciência e Tecnologia, que está solicitando ao Tribunal de Contas da União (TCU) a suspensão do processo sobre a liquidação do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec), pois vai manter a estatal e voltar à estratégia de produzir semicondutores no Brasil.

 

 

Avatar photo

Carolina Cruz

Repórter com trajetória em redações da Rede Globo e Grupo Cofina. Atualmente na cobertura dos Três Poderes, em Brasília, e da inovação, onde ela estiver.

Artigos: 831