Claro tem alta no EBITDA, que fecha em R$ 4,78 bilhões no 3º trimestre

Resultado foi puxado por expansão em todas as frentes: no móvel, na recepção de portabilidades, na ultra banda larga e no corporativo.

(Crédito: Freepik)

A Claro divulgou nesta terça-feira, 17, o resultado do terceiro trimestre de 2023, no qual apurou EBITDA (lucro antes de depreciações, amortizações, juros e impostos) de R$ 4,78 bilhões. Isso representa alta de 9,38% sobre o resultado do mesmo período de 2022.

As receitas da companhia também cresceram na comparação anual, passando de R$ 10,8 bilhões no terceiro trimestre do ano passado para R$ 11,48 bilhões agora. A margem EBITDA, que indica a rentabilidade do negócio, aumentou de 40,5% para 41,6% ano a ano.

A empresa afirma que os resultados foram puxados pelo serviço móvel, em que registrou crescimento de 9,7% na receita líquida, em comparação ao mesmo período do ano anterior. Houve aumento de 12% no ARPU e redução do churn. A receita líquida em banda larga fixa residencial cresceu 7,6%, mantendo a liderança da Claro neste mercado.

A Claro encerrou setembro com 8,7 milhões de dispositivos 5G em sua rede, atingindo 39% de participação de mercado no segmento. Ao todo, o móvel da empresa registrou 85 milhões de clientes, após acréscimo de 703 mil usuários.

“No pós-pago encerramos o trimestre com 49,7 milhões de assinantes, crescimento de 1,6% na comparação anual, adicionando 2,7 milhões de clientes no ano, impulsionado pela liderança em portabilidade de linhas, relevante redução do churn e aceleração das migrações de clientes pré-pagos para os serviços de receita recorrente. A Claro segue crescendo em participação de mercado do pós-pago (excluindo M2M), ganhando 0,9 p.p. nos últimos doze meses e atingindo 34,1% em agosto de 2023”, afirma a companhia no balanço enviado à CVM.

Diz também que a base pré-paga atingiu 35,3 milhões de clientes, atingindo 32,7% de market share em agosto de 2023. Diz que o Claro Flex, plano 100% digital (sem atendimento humano) ajudou, após apresentar crescimento de 77,4% ano a ano.

Quanto à banda larga fixa, a empresa terminou setembro com 62,5 mil adições e participação de mercado de 21,1%. Em “ultra-high speed”, acima de 500 Mbps, tem 30,8% do mercado. Adicionou 1,5 milhão de clientes em relação ao mesmo período do ano anterior.

A rede de fibra da operadora cobre 11,1 domicílios (homes passed, aptos a assinar), em 450 cidades. Considerando todas as tecnologias, a Claro está presente em 491 cidades e tem 40,3 milhões de HPs.

Em TV por assinatura, a Claro continua liderando o mercado brasileiro, com 41,6% de participação de mercado. “A base de clientes com a oferta convergente da Claro, que combina serviços residenciais e móveis, cresceu 8% em relação ao ano anterior, e segue sendo prioridade da Companhia para fidelização da base e aceleração do crescimento da receita”, afirma a empresa.

No mercado corporativo, que atende com a marca Embratel, o grupo aponta crescimento nos segmentos de SD-WAN (45,1%), serviços satelitais (39%), segurança (28,8%), datacenter (13,3%) e telemetria (12,8%).

Confira, abaixo, o resultado financeiro da Claro Brasil:

 

 

 

Avatar photo

Rafael Bucco

Artigos: 4192