Aumenta quantidade de riscos às operadoras de telecomunicações

Mudanças em leis e regras fiscais, legislação crescente e cibersegurança estão entre os riscos mais comuns apontados pelas operadoras a seus negócios.

Capa Estudo BDO Fatores de Risco 2023

Um estudo global da auditoria e consultoria BDO indica que as operadoras de telecomunicações afirmam estar sujeitas a mais riscos em 2023 do que estiveram em 2022. Em comparação com o estudo anterior, as empresas identificaram sete novos pontos de atenção.

Foram consultadas 63 empresas de todo o mundo, sendo 29 da Europa, Oriente Médio e África, 22 das Américas (sendo 4 do Brasil) e 12 da Ásia/Pacífico. O estudo levou em conta os relatórios anuais das companhias como base para a coleta de dados e análise para garantir a confiabilidade dos dados. Na edição de 2022, 46 fatores de risco foram coletados e analisados. Neste ano, foram identificados sete fatores de risco adicionais, totalizando 53.

Há fatores de risco relevantes para toda a economia, ou para uma parcela significativa dela, afetando os negócios em todas as indústrias. Também chamados de riscos de mercado ou riscos gerais. Porém, foram apontados também riscos relacionados apenas ou primariamente à indústria das telecomunicações.

O maior risco, específico do setor, apontado pelas empresas são as mudanças em leis e regulamentos fiscais, citado por 77,8% das empresas, seguido por legislação governamental extensa e crescente (76,2%), cibersegurança (71,4%), e mudanças climáticas.

Já no que se refere ao riscos macroeconômicos, os dois mais citados foram o câmbio e a instabilidade política, ambos com 57,1%, seguido pelas taxas de juros, com 52,4%.

Fatores de risco em telecom, segundo a BDO
Principais fatores de risco em telecom, segundo estudo da BDO

Os sete novos fatores identificados são:

  1. questões de conformidade com confidencialidade e privacidade de dados;
  2. paralisações não planejadas causando interrupções do negócio;
  3. ameaças à segurança física e infraestrutura;
  4. interrupções por condições instáveis da cadeia de suprimentos;
  5. complicações decorrentes de fusões, aquisições e integrações;
  6. mudanças nas expectativas do cliente devido a transformação digital;
  7. e preocupações com sucessão de liderança e normas éticas.

“Mudanças na regulação, maior concorrência, instabilidade política e volatilidade cambial são alguns dos fatores que se apresentam como maiores riscos para as telecoms nas Américas”, destaca Dario Lima, sócio da BDO especialista no setor.

“Importante destacar as particularidades da região, uma vez que três dos cinco fatores de maior risco identificados para as Américas não aparecem no Top 5 global: judicialização, concorrência e instabilidade política”, complementou.

O relatório traz também o que as companhias têm feito para mitigar os riscos. Os mais combatidos com ações preventivas pelas empresas são os regulatórios, segurança cibernética e risco de mudanças climáticas.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10596