Anatel aprova edital do 5G e marca data do leilão para dia 4 de novembro

O conselho diretor da Anatel aprovou hoje, 24 de setembro, o edital de venda das frequências de 700 MHz, 2,3 GH, 3,5 GHz e 26 GHz, conhecido como o leilão do 5G. E marcou a data para a realização do leilão: dia 4 de Novembro de 2021, data do último dia de mandato do presidente da Anatel, Leonardo de Morais. 

O conselho diretor da Anatel aprovou hoje, 24 de setembro, o edital de venda das frequências de 700 MHz, 2,3 GH, 3,5 GHz e 26 GHz, conhecido como o leilão do 5G. A proposta final acabou contemplando as 11 determinações de alterações feitas pelo Tribunal de Contas da União e também acatou quase todas as recomendações também feitas pela Corte de Contas. E marcou a data para a realização do leilão: dia 4 de Novembro de 2021, data do último dia de mandato do presidente da Anatel, Leonardo de Morais.

A proposta aprovada foi um misto entre a formulação do relator da matéria, conselheiro Emmanoel Campelo e o voto vista do conselheiro Moisés Moreira, que surpreendeu o mercado e o governo ao pedir vistas da matéria e adiar a decisão em 15 dias. Mas, no final, ficou mantido o prazo  para o início da prestação do serviço – em todas as capitais brasileiras e no Distrito Federal, em 31 de julho de 2022 – conforme queria o governo Bolsonaro foi mantido.

Houve também vários acréscimos ao edital, principalmente no que se refere ao estabelecimento dos prazos para a instalação das Rede Privativa do governo e do Projeto Amazônia Integrada e Sustentável (PAIS), que serão financiados pelas operadoras que comprarem as licenças nacionais da faixa de 3,5 GHz.

Divergências

Houve várias divergências entre a proposta apresentada pelo conselheiro Emmanoel Campelo e a do conselheiro vistante, Moisés Moreira, e prevaleceu a posição do vistante, com três votos a dois. Os votos convergentes foram os dele, de Carlos Baigorri e de Vicente Aquino, contra os votos de Emanoel Campelo e Leonardo de Morais.

As principais divergências, que ainda estão sendo debatidas, mas cuja maioria dos votos já foi explicitada no momento da publicação desta notícia são:

  • Se deveria ser acrescido 20% a mais nos cálculos do custo da  migração das TVs abertas para os satélites de banda Ku. Os três conselheiros votaram por este acréscimo, acompanhando o voto do relator. Morais teve o voto vencido.
  • Se deveria ou não ser flexibilizada a meta de cobertura das cidades a serem atendidas para a empresa entrante que comprar uma das licenças nacionais de 3,5 GHz. Apesar da firme defesa de Emanoel Campelo e de Leonardo de Morais que acompanhou Campelo para essa flexibilização, a maioria do conselho votou contra essa flexibilização.

Redes Privativas e do Pais

Apesar das fortes críticas do TCU à inclusão da construção de rede privativa do governo e da Rede da Amazônia Integrada e Sustentável (Pais) e o que teria motivado o pedido de vistas do conselheiro Moisés, a publicação de decretos pelo governo Bolsonaro estabelecendo os procedimentos de governança dessas redes, as duas redes foram aprovas por unanimidade pela Anatel.

Avatar photo

Miriam Aquino

Jornalista há mais de 30 anos, é diretora da Momento Editorial e responsável pela sucursal de Brasília. Especializou-se nas áreas de telecomunicações e de Tecnologia da Informação, e tem ampla experiência no acompanhamento de políticas públicas e dos assuntos regulatórios.
[email protected]

Artigos: 2194