Vendas de wearables caem 8,7% no Brasil no primeiro trimestre, diz IDC

De todos os tipos de produtos vestíveis, apenas os fones de ouvido truly wireless tiveram alta nas vendas entre janeiro e março deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado
Vendas de wearables caem no Brasil no primeiro trimestre
Primeiro trimestre de 2023, na comparação com o ano anterior, foi um período fraco para as vendas de wearables, aponta IDC (crédito: Freepik)

As vendas de dispositivos vestíveis, os chamados “wearables”, no Brasil caíram 8,7% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, informou a consultoria IDC. Entre janeiro e março de 2023, foram vendidas 1.210.334 unidades.

Os dados levam em conta sete categorias de produtos (fitband, advanced smartwatch, basic smartwatch, truly wireless, earwear/over ear, fones de ouvido tethered e earwear/others) e fazem parte do estudo IDC Tracker Brazil Wearables Q12023.

De todos os tipos de produtos analisados pela IDC, apenas os fones de ouvido truly wireless apresentaram alta no período, com crescimento de 45,3% em unidades vendidas, chegando a 303.191.

“Há um aumento significativo nos resultados de fones de ouvido truly wireless que não se vê nos demais modelos. Isso se deve ao maior interesse dos consumidores pelo produto sem fio e, principalmente, por uma tendência de redução de seus preços”, explica, em nota, Andréia Chopra, analista de Pesquisa e Consultoria de Consumer Devices da IDC Brasil.

Segundo a consultoria, nas demais categorias, foram comercializadas 77.983 unidades de fitbands (-44,5%), 91.035 de advanced smartwatches (-44,9%), 78.794 de basic smartwatches (-25,1%), 183.472 de earwears/over ear (-11,08%), 325.098 de fones de ouvido tethered (-4,9) e 150.761 de earwears/others (-4,8%).

A IDC ainda aponta que, no mercado cinza, foram vendidas 362.640 unidades de janeiro a março deste ano, uma redução total de 36,8% em comparação ao primeiro trimestre de 2022.

Na avaliação da analista da IDC, a contínua redução de preços em certas categorias de wearables no mercado oficial tem desempenhado papel fundamental para oferecer aos consumidores uma opção de compra mais segura.

“O mercado cinza de wearables experimentou um declínio significativo em relação ao mesmo período do ano anterior, destacando uma diminuição do apelo dos consumidores para adquirir seus dispositivos vestíveis de forma não oficial”, afirma Andréia.

Em termos de receita, no primeiro trimestre de 2023, os wearables (cinza e oficial juntos) movimentaram R$ 991,2 milhões, 19,7% menos do que no mesmo período de 2022.

Expectativas

Apesar da queda nas vendas no primeiro trimestre deste ano, a IDC aponta que os números do período demonstram o início de um processo de retomada de crescimento, uma vez que, na comparação com o trimestre imediatamente anterior (outubro a dezembro de 2022), houve alta de 11,1%. A expectativa da consultoria é de que setor encerre o ano de 2023 com crescimento na maioria das categorias.

Vale lembrar que, segundo o mesmo estudo da IDC Brasil, o mercado nacional de wearables encolheu 19,5% em 2022 na comparação com o ano anterior.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10673