Vendas de PCs caem 2% no Brasil em 2022, indica IDC

Consultoria aponta quedas de 7% na comercialização de notebooks e de 20% na de desktops; avaliação é de que 2023 será um ano desafiador para a indústria
Vendas de PCs caem no Brasil em 2022
Mercado de PCs fechou 2022 com vendas em baixa (crédito: Freepik)

A quantidade de PCs vendidos no Brasil caiu 2% no ano passado. A receita, por sua vez, teve queda de 10%, ficando em R$ 33 bilhões. Os dados foram divulgados pela consultoria IDC, nesta quarta-feira, 10.

Entre janeiro e dezembro do ano passado, foram comercializados cerca de 8,6 milhões de computadores no País, sendo 6,51 milhões de notebooks e 2,04 milhões de desktops. As quedas foram de 7% e 20%, respectivamente.

As máquinas projetadas para workstations, por sua vez, tiveram alta de 59% nas vendas, chegando a 38 mil unidades.

“Este movimento de queda foi resultado dos efeitos de uma retração no consumo, tendo em vista o baixo índice de confiança do consumidor frente a um cenário de incertezas tanto no aspecto macroeconômico como no político”, avalia, em nota, Renato Murari de Meireles, analista de mercado sênior de Commercial & Devices da IDC Brasil.

Segundo a consultoria, o varejo foi responsável pela comercialização de 4,4 milhões de PCs no ano passado, resultado 13% inferior ao registrado em 2021. Já o mercado corporativo cresceu 15%, totalizando 4,15 milhões de aparelhos adquiridos.

“O mercado corporativo foi impulsionado pelo setor governamental, e uma das principais razões foi a antecipação de alguns negócios realizados no último trimestre do ano, em consequência da transição do governo no âmbito federal”, explica Meireles.

Os preços médios, segundo a IDC, também caíram. No ano passado, em média, o desktop custava R$ 3.394 e o notebook, R$ 3.946. Os valores são 2% e 10% mais baixos, respectivamente, do que as médias de preço observadas em 2021.

Vale lembrar que, em 2021, o mercado brasileiro de PCs cresceu 37%.

Projeção

Embora não apresente uma estimativa de avanço ou de recuo, a IDC projeta que 2023 será um ano desafiador para a indústria de computadores no País.

O segmento corporativo, sobretudo o setor público e a área de educação, entra em uma fase de planejamento de licitações do novo governo. Com isso, a expectativa da consultoria é de que as licitações se concretizem somente no segundo semestre. No que diz respeito ao varejo, a empresa lembra que as lojas começaram 2023 com um alto volume de estoques.

“O ano de 2023 deve ser marcado por desafios para a indústria, que terá de ofertar produtos a um tíquete médio acessível para o consumidor final e [enfrentar] um cenário de mais cautela para a categoria nos investimentos privados, tanto para o segmento corporativo quanto para o varejo”, sinaliza o analista da IDC.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10522