Receita da Americanet Vero cresce 23,5% e vai a R$ 1,6 bilhão

Após fusão, provedor encerrou 2023 com 1,342 milhão de clientes e EBITDA ajustado de R$ 808,7 milhões; empresa ainda informou que captou R$ 725 milhões com debêntures
Receita da Americanet Vero cresce 23,5 após fusão
Americanet Vero tem alta na receita e no EBITDA ajustado após fusão (crédito: Freepik)

Após a fusão concluída em dezembro do ano passado, a Americanet Vero divulgou, nesta quinta-feira, 28, o primeiro balanço financeiro conjunto. Considerando as duas empresas combinadas, o provedor obteve receita líquida de quase R$ 1,6 bilhão em 2023, alta de 23,5% ante o ano anterior.

Excluindo desembolsos não recorrentes (como M&A, plano de opções e ajustes de balanço de abertura), o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) ajustado somou R$ 808,7 milhões, avançando 25,1% sobre o apurado em 2022 (R$ 646,4 milhões).

A margem EBITDA ajustada encerrou o ano em 51%, alta de 0,7 ponto percentual (p.p.) ante o ano anterior (50,3%). Já o EBITDA ajustado-Capex chegou a R$ 267 milhões.

Resultado líquido

De acordo com o informe financeiro, a empresa obteve lucro líquido de R$ 4,4 milhões em 2023, o que representa uma queda anual de 91,1%. A cifra, no entanto, reflete 12 meses de operações da Vero mais um mês (dezembro) da Americanet – diferentemente da receita, que traz 12 meses combinados.

Vale destacar que a Vero, sozinha, vinha tendo bons resultados em 2023, com o lucro, por exemplo, avançando 122% no terceiro trimestre. No entanto, o balanço mostra que, no quarto trimestre, a operação conjunta (três meses de Vero mais um mês de Americanet) teve prejuízo líquido de R$ 48,3 milhões.

Fabiano Fereira, CEO do provedor, disse, ao jornal Valor Econômico, que a junção das empresas “trouxe alguns reflexos no resultado, a maior parte deles não recorrentes e sem efeito no caixa”. Segundo o executivo, sem esses efeitos, a Vero, sozinha, teria auferido lucro de R$ 10,5 milhões entre outubro e dezembro e R$ 74,3 milhões na íntegra do ano passado.

Operacional

A Americanet Vero fechou 2023 com 1,342 milhão de clientes, ficando, portanto, na quinta posição no mercado de banda larga fixa (atrás de Claro, Vivo, Oi e Alloha Fibra, respectivamente). A base de assinantes cresceu 8% no ano passado.

A empresa informou que a receita média por usuário (ARPU, na sigla em inglês) teve alta de 3%, chegando a R$ 107. O churn (rotatividade de clientes), por sua vez, encerrou o ano com uma taxa de 1,8%.

Segundo a demonstração de resultados, ao combinar os dois provedores, a empresa acredita que pode alcançar R$ 1 bilhão em sinergias até 2030, por meio de cross sell e redução de churn. A estratégia operacional também envolve reforçar a oferta de WiFi 6 a toda a base de clientes e “consolidar a nossa presença no mercado B2B”.

Emissão de debêntures

Em comunicado à imprensa, a Americanet Vero informou que, no dia 21 de março, concluiu a captação de R$ 725 milhões por meio de sua terceira emissão de debêntures simples. A oferta inicial previa o levantamento de R$ 400 milhões com investidores, mas foi ampliada para “atender à forte demanda”, destacou o provedor.

Na avaliação da empresa, a operação financeira vai alongar de 2,49 anos para 3,92 anos o prazo médio de sua dívida. Inclusive, as obrigações de longo prazo passam a representar 81% do endividamento, elevando o percentual anterior de 71%.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 711