Normas às plataformas digitais ficam no radar para primeiros 100 dias do governo

GT de transição recomendou prioridade para tema, com participação interministerial; governo caminha no sentido da orientação.
Normas às plataformas digitais ficam no radar para primeiros 100 dias do governo
Governo começa a se movimentar para cumprir medidas dos primeiros 100 dias. (Crédito: Freepik)

O relatório final do grupo técnico de Comunicações do novo governo recomenda que a elaboração, nos primeiros 100 dias de governo, de uma agenda para tratar normas referentes aos serviços digitais com diálogo multissetorial. Tema avançou já nas primeiras semanas de governo. 

O documento, finalizado no final de dezembro, propôs a criação de uma Secretaria de Serviços e Direitos Digitais no Ministério das Comunicações para tratar do tema. A pasta, no entanto, acabou vinculada à Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), no âmbito da Secretaria de Políticas Digitais. 

Os problemas a serem enfrentados pela chamada Agenda Digital Brasileira incluem “o crescimento das práticas de desinformação, de discurso de ódio e da violência política” e a desigualdade que atinge parte da população que não tem acesso à internet de qualidade. 

“Tal agenda envolve diferentes aspectos do ambiente digital, como soberania nacional, telecomunicações, inclusão digital, proteção de dados pessoais, segurança digital, letramento e habilidades digitais, enfrentamento à desinformação e defesa das liberdades de expressão, inteligência artificial, promoção da diversidade e da pluralidade, produção e circulação de bens e conteúdos nacionais, combate a medidas anticompetitivas, transformação digital, entre outros

temas que estão dispersos em órgãos variados, bem como em debates legislativos com baixa coordenação”, consta no relatório.

O texto complementa que a agenda deve influir a “identificação das lacunas e dos debates legislativos a serem iniciados” e “mudanças a serem efetuadas com vistas a um arranjo institucional e regulatório convergente que, necessariamente, deverá prever mecanismos de participação multissetorial na deliberação de diretrizes e acompanhamento das políticas setoriais nacionais”.

Em trecho dedicado à regulação das plataformas digitais, o GT recomenda também nos primeiros 100 dias de governo o lançamento de consulta pública sobre o tema, em cooperação com o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br). 

Medidas já anunciadas

O ministro-chefe da Secom, Paulo Pimenta, afirmou em sua posse que a regulação das plataformas digitais e medidas de combate à desinformação serão debatidas entre vários ministérios, como Educação e Justiça, um entendimento que segue o recomendado pelo GT. 

Nesta quarta-feira, 11, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, anunciou que a pasta está preparando um pacote de projetos de lei que será encaminhado já no início da legislatura. A medida é uma resposta aos atos antidemocráticos que ocorreram em Brasília no último domingo, 8. 

A elaboração do pacote de propostas está sob a responsabilidade do secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, Elias Vaz. Ele afirmou ao Tele.Síntese que os temas combate às fake news, responsabilização de redes sociais e compartilhamento de dados para fins de investigação podem ser incorporados no encaminhamento

De acordo com Vaz, os detalhes estão em avaliação. “Ainda estamos definindo qual o alcance desse pacote de projetos”, afirmou.

O secretário também confirmou que caso os temas sejam incluídos, a Secom e o MCom devem participar da formulação das propostas. “Ouviremos todos os setores do governo que tiverem alguma afinidade com os projetos propostos” disse Vaz.

Lei a íntegra do relatório final de Comunicações. 

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10510