Nokia eleva lucro no 1º trimestre e espera segundo semestre mais forte

Vendas da fabricante finlandesa caíram 19% entre janeiro e março de 2024, mas empresa indica que receita deve se recuperar progressivamente ao longo do ano
Nokia amplia lucro no 1ª trimestre e espera vendas mais fortes na segunda metade do ano
Sede da Nokia em Espoo, Finlândia; empresa aumentou o lucro no 1º trimestre (crédito: Divulgação/Nokia)

A Nokia divulgou, nesta quinta-feira, 18, os resultados financeiros do primeiro trimestre de 2024. Apesar da queda nas vendas, a companhia ampliou o lucro líquido e projeta receitas em crescimento, principalmente, na segunda metade do ano.

A fabricante finlandesa auferiu lucro líquido comparável de 501 milhões de euros (aproximadamente R$ 2,8 bilhões), alta de 46% ante o mesmo período do ano anterior. Segundo a empresa, o resultado foi impulsionado pelo avanço do lucro operacional comparável (alta de 25%), saldo positivo nos compromissos financeiros e uma taxa de câmbio favorável. As medidas de reestruturação, anunciadas em outubro passado, também contribuíram para os ganhos no período.

A receita líquida, por outro lado, registrou queda de 19%, em moedas constantes. O declínio foi puxado por uma contração de 37% em Redes Móveis, em razão dos baixos níveis de gastos na América do Norte e da desaceleração dos investimentos em 5G na Índia.

“Globalmente, esperamos que o primeiro trimestre marque o ponto mais baixo da procura, com a atividade se recuperando progressivamente durante o resto de 2024, consistente com uma sazonalidade mais normal”, disse, em trecho do balanço, Pekka Lundmark, presidente e CEO da Nokia, em avaliação similar ao da rival Ericsson, cujas vendas para o mercado de redes de acesso via rádio (RAN) também declinaram no primeiro trimestre.

As vendas de Infraestrutura de Rede (grupo que congrega redes ópticas, submarinas, fixas e IP) caíram 26% entre janeiro a março, ante o mesmo intervalo do ano passado, por causa da incerteza macroeconômica, avalia a fabricante. Também em queda, sobretudo pela fraca demanda na América do Norte e na EMEA (Europa, Oriente Médio e África), os Serviços de Nuvem e Rede tiveram uma baixa mais moderada (-13%).

Por outro lado, a receita da Nokia Technologies cresceu 216%, em moedas constantes, no primeiro trimestre. O resultado foi impulsionado pelos acordos de licenciamento de patentes que a companhia fechou com fabricantes de smartphones.

Perspectivas

No informe financeiro, a Nokia destacou que as perspectivas para este ano “permanecem inalteradas”. Desse modo, a companhia espera que o lucro operacional comparável fique entre 2,3 bilhões de euros (R$ 12,85 bilhões) e 2,9 bilhões de euros (R$ 16,2 bilhões).

De acordo com o CEO, as encomendas à empresa estão crescendo, o que sustenta a confiança “em um segundo semestre mais forte e na concretização de nossas perspectivas para o ano inteiro”.

Lundmark também indicou que a plataforma Network as Code, projetada para oferecer acesso API às redes 5G, já conta com 11 operadoras inscritas. Para a divisão de licenciamento, o objetivo é expandi-la para novas áreas de crescimento e aumentar as vendas líquidas.

“Temos executado rapidamente as mudanças no modelo operacional que anunciamos em outubro, juntamente com nosso roteiro de redução de custos. Estas ações, combinadas com a nossa expectativa de um melhor crescimento das vendas líquidas no segundo semestre do ano, apoiada pela nossa carteira de encomendas, significam que estamos solidamente no caminho certo para alcançar a nossa perspectiva de lucro operacional comparável para o ano inteiro”, reforça o CEO.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 851