Nokia anuncia novos cortes a fim de economizar mais € 700 milhões até 2020

Fabricante cria nova unidade de negócio para atender grandes corporações e diversificar a carteira de clientes, atualmente concentrada em operadoras de telecomunicações.
O CEO da Nokia, Rajeev Suri (Foto: Divulgação)

A fabricante de equipamentos de redes Nokia anunciou hoje, 25, a ampliação de seu programa de redução de despesas. O objetivo da companhia finlandesa é economizar € 700 milhões até 2020. Isso porque no terceiro trimestre do ano voltou a registrar prejuízo, de € 127 milhões. O número é 33% menor que um ano antes, mas ainda preocupa, uma vez que as vendas seguem em queda. As receitas caíram 1% na comparação ano ano, e ficaram em € 5,45 bilhões no trimestre.

A Nokia já vem cortando gastos há três anos. Desde 2016 economizou € 800 milhões em gastos recorrentes. Até o final de 2018, a companhia estima cortar outros € 400 milhões. No período, foram feitas demissões, que vão continuar a ocorrer, conforme anunciado hoje pelo CEO Rajeev Suri. Ao fim de 2017, havia 103 mil funcionários na empresa.

Os cortes serão feitos na esteira da digitalização e automação dos negócios, simplificação de processos internos, venda de ativos (edificações). As demissões devem atingir com mais força as áreas de suporte e desenvolvimento de produtos legados. No campo de P&D, a Nokia promete foco em programas capazes de “gerar valor no longo prazo”. Em especial, tecnologias relacionadas a redes móveis 5G.

Reestruturação

De olho em novos segmentos a fim de diversificar as receitas, a Nokia resolveu reestruturar as unidades de negócio. Continuam a existir as unidades de Redes e de Licenciamento. Foi criada a unidade de Negócios Empresariais. A nova unidade será comandada por Kathrin Buvac, até então, chief strategy officer da Nokia. E se reportará diretamente ao CEO da companhia.

Segundo Suri, a criação da unidade permitirá à empresa continuar a atender as operadoras com qualidade, ao mesmo tempo em que abrirá as portas para oportunidades de negócio em grandes corporações carentes de “redes de categoria equivalente à das operadoras”. Ele afirma que as experiências em vender redes para empresas além das teles se provaram rentáveis até aqui. A nova estrutura corporativa começa a funcionar em 1º de janeiro de 2019.

Nova fábrica e acordo com Samsung

A companhia também aproveitou a divulgação dos resultados para anunciar o início da operação de uma nova linha de produção em sua fábrica na Índia. A partir de agora serão feitos por lá também estações radiobase 5G. Antes, a unidade produzia apenas equipamentos para redes móveis 2G, 3G e 4G. Além de atender ao promissor mercado indiano, a fábrica vai exportar para 100 países.

Além disso, a Nokia anunciou a renovação de seu acordo de licenciamento de patentes para a Samsung, que expiraria no final deste ano. As empresas não reveleram, no entanto, até quando durará o contrato. O início dos pagamentos de royalties por parte da Samsung será em janeiro.

Avatar photo

Rafael Bucco

Artigos: 4187