Netflix encerra plano básico no Brasil e aumenta preços em outros países

Com o fim da disponibilização do plano básico, brasileiros poderão contratar opções com anúncios, padrão e premium; no terceiro trimestre, plataforma de streaming ganhou 8,76 milhões de usuários e lucro cresceu 20%
Netflix vai encerrar plano básico no Brasil e aumentar preços nos EUA
Netflix encerra plano básico no Brasil e em mais cinco países (crédito: Freepik)

A Netflix anunciou, nesta quarta-feira, 18, que vai encerrar o plano básico de assinatura no Brasil. A medida, que começou nos Estados Unidos e no Reino Unido, também será posta em prática na Alemanha, Espanha, Japão, México e Austrália. A previsão é de que o plano não possa mais ser contratado a partir da semana que vem.

Atualmente, o plano básico custa R$ 25,90 por mês e oferece resolução em 720p (HD). Com o encerramento do modelo, a Netflix terá três opções de assinatura no Brasil: com anúncios (R$ 18,90) e padrão (R$ 39,90), ambos em resolução 1080p (Full HD), além do premium (R$ 55,90), o único que oferece qualidade de imagem em 4K.

O fim do plano básico visa a impulsionar as opções com anúncios e padrão. Segundo a Netflix, no terceiro trimestre deste ano, a adesão de assinaturas ao plano com anúncios cresceu 70% em relação ao trimestre anterior e, na atualidade, representa 30% das novas inscrições em 12 países em que o modelo já está disponível.

No relatório financeiro referente ao período de julho a setembro deste ano, a plataforma de streaming também indicou que a opção de downloads fará parte do plano com anúncios, modalidade que também poderá ser comercializada por provedores de serviços de internet (ISPs) parceiros.

Aumento de preços

A Netflix informou que, a partir desta quarta, aumentará os preços dos planos básico e premium nos Estados Unidos, Reino Unido e França – vale destacar, o plano básico não pode ser contratado por novos assinantes, mas continua disponível para os clientes que mantiveram a opção.

Por exemplo, nos Estados Unidos, o básico passará de US$ 9,99 para US$ 11,99, enquanto o premium sobe de US$ 19,99 para US$ 22,99.

Resultados operacionais e financeiros

O número de usuários da Netflix segue em expansão. A empresa fechou o terceiro trimestre com 247,15 milhões de assinaturas pagas, um incremento de 10,8% ante o total registrado no mesmo trimestre de 2022.

Em números absolutos, a empresa registrou adição líquida de 8,76 milhões de assinantes entre julho e setembro deste ano, quase 3 milhões a mais do que no segundo trimestre, quando ganhou 5,89 milhões de novos usuários.

Ainda sobre o terceiro trimestre, a companhia obteve lucro líquido de US$ 1,67 bilhão (aproximadamente R$ 8,45 bilhões), alta de 20% em relação ao mesmo período do ano passado.

A receita líquida cresceu 7,8% entre julho e setembro, somando US$ 8,54 bilhões (R$ 43,2 bilhões), na comparação anual. O lucro operacional foi de US$ 1,91 bilhão (R$ 9,66 bilhões), alta de 28,1%, e a margem ficou em 22,4%.

Para o quarto trimestre, a expectativa é de que a receita cresça, em termos anuais, 10,7%, alcançando US$ 8,69 bilhões (R$ 43,95 bilhões).

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 853