Mapeamento indica existência de 63 redes comunitárias no Brasil

Maioria das redes comunitárias fica em locais onde redes comerciais não chegam, usam rádio ou satélite e apresentam incerteza quanto à sustentabilidade no longo prazo

As redes comunitárias são alternativa para promover a inclusão digital em regiões de povos tradicionais e com pouca oferta de infraestrutura e serviços de Internet, e estão, em sua maioria (83%), presentes em localidades remotas e que apresentam maior vulnerabilidade: 40% delas em quilombos ou territórios quilombolas, 33% em aldeias ou territórios indígenas e 23% em áreas ribeirinhas.

A conclusão é de um levantamento inédito produzido pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) e pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) e da Assessoria às Atividades do CGI.br.

O levantamento mapeou 63 redes comunitárias em todas as regiões do Brasil. Foram entrevistados gestores de 40 redes comunitárias entre 25 de novembro de 2021 e 10 de março de 2022. No momento da coleta, 24 (60%) das redes comunitárias ouvidas estavam ativas, 14 (35%) estavam paralisadas momentaneamente ou em implementação e duas (5%) delas haviam sido encerradas definitivamente.

Segundo o estudo, os principais beneficiários das redes comunitárias são os moradores de entornos urbanos (58%). As redes também mencionaram visitantes daquelas áreas, associações (43%), além de outras instituições como escolas e igrejas (35%) e comerciantes locais (25%).

O perfil dos gestores dessas redes reflete a diversidade da comunidade, sendo 55% deles pretos ou pardos e 20% indígenas — proporção superior à média da população nacional. Já em relação à escolaridade, 40% deles têm ensino superior e 33%, pós-graduação.

Em 45% das redes comunitárias, os beneficiários participam das decisões sobre seu funcionamento, e em 35% delas as principais questões são decididas por um conselho ou grupo deliberativo.

Os principais serviços oferecidos são espaços para gravar, compartilhar online arquivos e documentos (28%), a disponibilização de Intranet (23%), e o oferecimento de mural de avisos da comunidade pela Internet (18%). Serviços de rádio comunitária própria (13%) e TV comunitária própria (8%) foram mencionados em menores proporções.

Quanto à tecnologia de conexão, 18% usavam rádio; 18% satélite e 13% fibra óptica. “Isso contrasta com a situação encontrada na média dos lares brasileiros, nos quais, segundo a pesquisa TIC Domicílios 2021, predomina a conexão por cabo ou fibra óptica. Ao mesmo tempo, a prevalência de rádio e satélite nessas comunidades indica que grande parte dessas redes opera em territórios com obstáculos físicos adicionais à conectividade”, obserava o gerente do Cetic.br, Alexandre Barbosa.

Sustentabilidade

A pesquisa mostrou que quase a totalidade das redes comunitárias mapeadas (93%) se definem como “organizações sem fins lucrativos”. Um quarto delas (23%) afirmaram depender de um investimento médio mensal de mais de R$ 1 mil para se manterem ativas, e 38% um custo de até R$ 1 mil.

Para financiá-las, 38% das redes comunitárias investigadas se valem de doações voluntárias de pessoas da própria comunidade, e igual proporção contava com o financiamento de organizações não governamentais. Em 28% delas eram cobradas mensalidades ou anuidades dos usuários.

Quando questionados sobre quão seguros estavam de que a sua rede estaria funcionando nos próximos 12 meses, 53% dos entrevistados (21 entre as 40 investigadas) afirmam estar muito seguros ou seguros de que a rede continuaria operando nos próximos 12 meses; 18% declaram estar nem seguros nem inseguros, e 23% declaram estar pouco ou nada seguros, representando quase um quarto das redes analisadas.

“A sustentabilidade financeira das operações cotidianas é um desafio para a manutenção das redes comunitárias. Identificamos durante a pesquisa que a maior parte dos projetos de implementação dessas redes não preveem recursos para além das etapas iniciais de implementação ou para situações excepcionais, como conserto e substituição de equipamentos”, afirma Laura Tresca, conselheira do CGI.br.

A íntegra do estudo está aqui.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10673