Lucro líquido da TIM cai 43,5% em 2022, para R$ 1,67 bilhão

Baixa no quarto trimestre foi de 23,2%; operadora informou que terminou o ano passado com 62,5 milhões de acessos móveis, seguindo a incorporação de clientes da base móvel da Oi
TIM reportou queda no lucro em 2022
Lucro da TIM cai quase pela metade em 2022 (crédito: Freepik)

A TIM Brasil divulgou, nesta quinta-feira, 9, o resultado financeiro do ano de 2022. No ano passado, a operadora lucrou R$ 1,67 bilhão, registrando queda de 43,5% em relação ao exercício anterior (R$ 2,95 bilhões).

A operadora informou que a receita líquida atingiu R$ 21,53 bilhões, ante R$ 18,05 bilhões em 2021, um crescimento de 19,2%. A alta foi obtida com a ajuda das receitas dos setores móvel e fixo e entrada dos clientes da Oi Móvel.

A receita do serviço móvel, por exemplo, cresceu 19,8% no ano passado, chegando a R$ 19,59 bilhões. O faturamento do serviço fixo, por sua vez, totalizou R$ 1,23 bilhão, alta de 7,6% na comparação com 2021.

Segundo a TIM, os custos e as despesas operacionais atingiram R$ 11,48 bilhões em 2022. Com isso, houve aumento anual de 33,5%, em razão de uma base comparativa afetada pelo ganho extraordinário gerado na venda de participação de 51% da empresa I-Systems, ocorrida em novembro de 2021, a qual reduziu os custos em cerca de R$ 780 milhões.

No ano passado, o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ficou em R$ 10,05 bilhões, um crescimento de 6,2% sobre 2021. O resultado teve como principal motor o crescimento da linha de receita de serviços, com a contribuição tanto dos assinantes dos produtos móveis quanto dos fixos. A margem EBITDA ajustada encerrou 2022 em 46,7%, reduzindo 5,7 pontos percentuais (p.p.).

O Capex totalizou R$ 4,73 bilhões em 2022, apresentando uma variação negativa de 40,6% na comparação anual.

Clientes

A TIM destacou que o ano passado foi marcado pela incorporação dos clientes adquiridos da Oi Móvel. Com isso, a operadora chegou a 62,5 milhões de acessos móveis, gerando um aumento de 20% na comparação com 2021. A operadora atingiu um market share de 24,8% nesse segmento.

“A migração efetiva desses clientes oriundos da Oi, que se iniciou em agosto de 2022, somou, ao final de janeiro de 2023, um total de 8,7 milhões de clientes migrados, sendo 7,8 milhões no Pré-pago e mais de 900 mil no Pós-pago. A previsão de conclusão do processo é em abril de 2023”, diz a empresa, em trecho do relatório financeiro.

No total de usuários, ao final do ano passado, o segmento fixo (TIM UltraFibra) contava com 716 mil conexões, alta de 4,6% na comparação com 2021.

4º trimestre

No quarto trimestre de 2022, o lucro líquido da TIM caiu 23,2%. Entre outubro e dezembro, o lucro foi de R$ 590 milhões, ante R$ 768 milhões do mesmo período do ano anterior.

Já a receita líquida cresceu 22,4%, chegando a R$ 5,87 bilhões – nos últimos três meses de 2021, a receita tinha somado R$ 4,8 bilhões.

A TIM também informou que a receita do serviço móvel avançou 22,7%, para R$ 5,30 bilhões, enquanto a do segmento fixo teve alta de 9,1%, chegando a R$ 323 milhões.

O EBTIDA normalizado atingiu R$ 2,93 bilhões, alta de 19,6%. A margem EBITDA, por sua vez, ficou em 49,9%, abaixo dos 51% registrados no último trimestre do ano anterior.

Por fim, o Capex avançou 9,6%, totalizando R$ 1,37 bilhão entre outubro e dezembro do ano passado.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 791