Funttel: Conselho Gestor adia metas de gestão

Primeiro Planejamento Estratégico do fundo, previsto inicialmente para 2022, tem prazo alterado pela segunda vez; agora, com aprovação prevista até julho de 2025.
MCom adia metas de gestão do Funttel
Normas do Funttel que tinham aprovação prevista para o último semestre de 2023 foram adiadas em até dois anos | Foto: Freepik

O Conselho Gestor do Funttel (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações), coordenado pelo Ministério das Comunicações (MCom), publicou nesta segunda-feira, 11, uma atualização da sua Agenda de Modernização Normativa e da Estrutura de Governança. O novo texto adia algumas das metas de gestão. 

A Agenda foi instituída em 2021, com a estipulação de datas para a conclusão de normativos complementares e o aprimoramento de regras vigentes. No entanto, os prazos são adiados desde então, como o primeiro Planejamento Estratégico do Funttel que, inicialmente, estava previsto para março de 2022, passou para março deste ano e, agora, julho de 2025. 

A revisão do Regulamento de Arrecadação do Funttel, com prazo inicial de dezembro de 2022, passou para dezembro de 2024. E a revisão dos indicadores do fundo passou de junho de 2023 para julho de 2025. 

Questionado sobre os adiamentos, o MCom afirmou que “as alterações promovidas se devem a uma reprogramação interna dos trabalhos do Funttel”.

A pasta explica ainda que duas metas anteriores – de regulamentação específica para os repasses na modalidade reembolsável e transferências voluntárias – foram consolidadas em uma só, que trata da norma de aplicação de recursos. “O trabalho referente a essa resolução encontra-se em andamento, com prazo de conclusão em dezembro de 2024”, diz o MCom.

Final de 2023

Algumas das metas que venceriam no último semestre deste ano passaram para dezembro de 2025. São elas: 

  • Revisão do Decreto nº 3.737, de 30 de janeiro de 2001, que regulamentou o Funttel. 
  • Elaboração do Programa de Integridade do Funttel 
  • Revisão da Carta de Serviços do Funttel

Novas metas

A resolução publicada nesta segunda também inclui novos itens na agenda:

  • Acompanhamento da tramitação do projeto de lei que proíbe o contingenciamento do Funttel (PLP nº 81/2022) e elaboração de manifestações técnicas;
  • Implementação da declaração eletrônica mensal da contribuição para o Funttel (prazo: dezembro de 2024);
  • Conciliação e consolidação dos dados históricos de receita da contribuição para o Funttel (prazo: dezembro de 2024); e
  • Aperfeiçoamento das práticas contábeis do Fundo à luz do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (prazo: dezembro de 2026)”.

Orçamento

Um dos objetivos do Funttel é promover o acesso de pequenas e médias empresas a recursos de capital, de modo a ampliar a competitividade da indústria brasileira de telecomunicações, por meio de financiamentos com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) ou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O dinheiro também contribui para projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação.

O recurso que compõe o fundo advêm, principalmente, das contribuições de 0,5% sobre a receita bruta das empresas de telecom e de 1% obre a arrecadação bruta de eventos participativos realizados por meio de ligações telefônicas. Em 2022, a arrecadação foi de  R$ 256, 3milhões.

Para 2023, o Funttel contou com um orçamento autorizado de R$ 316,3 milhões. Destes, 76% estavam liquidados até outubro deste ano.

Avatar photo

Carolina Cruz

Repórter com trajetória em redações da Rede Globo e Grupo Cofina. Atualmente na cobertura dos Três Poderes, em Brasília, e da inovação, onde ela estiver.

Artigos: 916