Europa deve endurecer regras de neutralidade da rede

As regras para as operadoras justificarem prioridade de acesso a rede a serem anunciadas deverão desagradar às teles

Operadoras de telecomunicações da Europa terão que justificar a prioridade que dão a certos serviços de rede, segundo novas diretrizes regulatórias da União Europeia, que deverão ser anunciadas na próxima semana, conforme a agência Reuters. 

No ano passado a União Europeia adotou as primeiras regras de neutralidade da rede, e foi bastante elogiada pelas operadoras de telecomunicações, porque era mais “liberal” do que a que estava sendo aprovado nos Estados Unidos e em demais países, como o Brasil.

Isto porque, se mantinha a neutralidade da rede – ou seja, sem permitir que houvesse tratamento diferenciado para os bits que trafegam na internet – autorizava o surgimento de redes especializadas, que poderiam ter tratamentos diferenciados. 

Conforme a agência no entanto, o Berec, grupo composto por 28 autoridades reguladoras das telecomunicações da UE, produziu um conjunto de orientações sobre a aplicação das regras de neutralidade da rede, que serão apresentados na segunda-feira e adotadas em agosto após resposta das partes interessadas. E essas regras não deverão ser assim tão favoráveis às teles. 

A indústria argumenta, por exemplo, que sem poder priorizar o tráfego, não existirá IoT, pois não  haverá conexão de carros sem motoristas ou prioridade de imagens médicas. Mas os que defendem a neutralidade temem  a criação de duas redes. (com agência Reuters). 

 

 

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10510