EUA e UE unem forças para padronização do 6G

Parceiros assinam termo de cooperação para pesquisa e desenvolvimento da sexta geração móvel, incluindo harmonização de espectro e atuação conjunta para implementar padrão global via 3GPP
EUA e UE reforçam cooperação para desenvolvimento e padronização do 6G
EUA e UE devem trabalhar juntos em busca de padronização global para o 6G (crédito: Freepik)

Os Estados Unidos e a União Europeia (UE) assinaram, na quinta-feira, 5, um acordo para colaboração na área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da tecnologia 6G. Ambos também se comprometeram a adotar uma visão compartilhada sobre a próxima geração de telefonia móvel.

Construído no âmbito do Conselho de Comércio e Tecnologia (TTC, na sigla em inglês) EUA-UE, o termo de cooperação prevê o estabelecimento de diretrizes comuns para diversas verticais, incluindo destinação de espetro.

“Os EUA e a UE devem se esforçar para alcançar um padrão global comum para o 6G sob o 3GPP”, diz trecho do documento, intitulado “Avançando no 6G: Uma Visão para Colaboração Transatlântica”, em tradução livre.

O material ainda ressalta que “é necessária uma maior cooperação para identificar oportunidades de espectro que as redes 6G possam usar para trabalhar em direção a uma harmonização do espectro 6G, quando viável”.

Segundo o termo de cooperação, para o desenvolvimento da sexta geração móvel, os Estados Unidos e a UE querem ir além da banda larga móvel e do FWA. O texto diz que a nação da América do Norte e o bloco europeu devem explorar oportunidades em verticais como Internet das Coisas (IoT) para a indústria, automotivo e transporte, mídia e entretenimento, segurança pública, cidades inteligentes, soluções tecnológicas para saúde e agricultura.

Objetivos comuns

No documento, Estados Unidos e UE dizem que “a colaboração não é apenas desejável, mas essencial”. Além disso, apontam que a cooperação pode acelerar o desenvolvimento e a implantação da próxima tecnologia móvel com base em “princípios e valores compartilhados”.

Conforme o termo, a parceria deve ser estendida para agências de financiamento em pesquisa e inovação na área do 6G, com o objetivo de facilitar o processo de padronização global da tecnologia.

“Também pretendemos desenvolver um plano de divulgação com parceiros com ideias semelhantes para avançar no desenvolvimento e na comercialização das redes 6G”, afirmam.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 839