E-commerce movimentou R$ 450 bi nos últimos três anos

Foi lançado hoje, 11, o Observatório de Comércio Eletrônico do MDIC, ferramenta online com dados detalhados do e-commerce no país

reprodução

A pandemia de Covid 19 impulsionou as vendas online e fez o e-commerce brasileiro dar um salto, movimentando R$ 450 bilhões em operações de compra e venda nos últimos três anos. Esta é uma das muitas informações inéditas trazidas pelo Observatório de Comércio Eletrônico lançado nesta quinta-feira, 11, pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC).

O Observatório tem um Dashboard do Comércio Eletrônico Nacional, ferramenta com dados sobre vendas online realizadas no Brasil com emissão de nota fiscal, entre 2016 e 2022. Neste intervalo de sete anos, o valor total bruto movimentado foi de R$ 628 bilhões, saindo de R$ 36 bi em 2016 para R$ 187 bi em 2022. O Dashboard é a primeira ferramenta pública a agregar números oficiais do comércio eletrônico no país. Até então, boa parte das informações vinha de bases privadas.

“A compilação e publicação das estatísticas está alinhada aos esforços do governo para impulsionar e dar transparência à economia digital. O dashboard vai subsidiar o desenvolvimento de políticas públicas para o setor e pode, ainda, balizar decisões de investimentos das empresas”, afirma Uallace Moreira, secretário de Desenvolvimento Industrial, Inovação, Comércio e Serviços do MDIC.

O Dashboard foi desenvolvido pelo Departamento de Comércio e Serviços da SDIC, a partir de dados das notas fiscais eletrônicas fornecidos pela Receita Federal.

Celulares e televisores

O líder absoluto de compras pela internet entre 2016 e 2022, em termos de movimentação financeira, foi o celular. No período, a venda de terminais portáteis de telefonia, incluindo smartphones, movimentou R$ 72,1 bilhões, ou 11,5% do total.

Na sequência, aparecem televisores, com faturamento de R$ 28 bilhões (4,5%), e notebooks, tablets e similares, com R$ 21 bilhões em vendas. Depois vêm geladeiras ou freezers, R$ 17,8 bilhões (2,8%); livros, brochuras e impressos semelhantes, com R$ 16,8 bilhões (2,6%); e máquinas de lavar roupas, com R$ 10,8 bilhões (1,7%).

A lista completa abrange milhares de produtos – de calçados a filtros d’água, de roupas a sapatos, de alimentos a móveis de madeira, além de cosméticos, medicamentos, bijuterias, acessórios gerais, eletroeletrônicos, pneus, automóveis e até barcos.

No dashboard, os itens são classificados segundo a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM). Mais de metade das vendas (56%) estão concentradas em quatro capítulos da NCM: 85 (celulares/smartphones, televisão, fogões), 84 (notebooks, tablets, refrigeradores, máquinas de lavar roupas, ar condicionado), 64 (calçados, polainas) e 61 (vestuário e acessórios).

Diferenças regionais

Os dados do Dashboard mostram que existem as diferenças entre as regiões no fluxo de comércio eletrônico interestadual – que é muito concentrado na região Sudeste, onde ocorreram 74,1% de todas as vendas online no período de 2016 a 2022.

São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro foram os estados que mais venderam e mais compraram no período de 7 anos, movimentando 68% do valor transacionado na condição de emitentes, e 54% na de destinatários. (Com assessoria de imprensa)

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10673