Dobra ritmo de instalação gratuita da nova parabólica digital

Siga Antenado chegou a 2 milhões de kits da nova parabólica digital instalados e dobrou a velocidade de substituições gratuitas para beneficiários do Cadastro Único federal.
Técnico da EAF instala a nova parabólica digital em casa de beneficiário do CadÚnico (Foto: Divulgação)
Técnico da EAF instala a nova parabólica digital em casa de beneficiário do CadÚnico (Foto: Divulgação)

A Siga Antenado, entidade responsável pela substituição das parabólicas tradicionais pela nova parabólica digital para famílias inscritas no Cadastro Único federal, chegou a 2 milhões de equipamentos instalados gratuitamente em todo o país.

A demanda pelas antenas começou baixa em 2022, quando o 5G foi ativado nas capitais. Mas vem crescendo à medida em que mais cidades do interior têm frequências liberadas para a tecnologia celular. O marco de 2 milhões de kits gratuitos com a nova parabólica digital instalados foi alcançado apenas seis meses após a conquista do primeiro milhão.

“A parabólica é uma ferramenta muito popular no interior do país, e isso foi comprovado no aumento da procura pelo serviço por parte da população à medida que chegamos a cidades menores. É um crescimento que já era esperado por nós. Por isso, expandimos a nossa operação logística e também nossas compras de equipamentos. Para se ter uma ideia, janeiro foi um mês recorde de instalações, com mais de 250 mil famílias atendidas”, afirma Leandro Guerra, presidente da Siga Antenado.

Guerra avalia que os números representam a efetividade da entidade. “Mensalmente, ampliamos o número de cidades com agendamento aberto para a substituição da parabólica tradicional pela nova parabólica digital. Estamos presentes com comunicação, atendimento, logística, equipamentos e equipe técnica em mais de 3,4 mil municípios brasileiros, e vamos chegar aos 5.570 até o final do programa”, informa.

A seu ver, houve o aumento da quantidade de instalações também tem a ver com o planejamento da entidade. “Fizemos um grande esforço para ampliar a atuação nos últimos seis meses, com formação e treinamento de profissionais nas cidades mais remotas, além das estratégias de comunicação que são adaptadas à realidade das cidades menores, cuja população nem sempre é facilmente mobilizada. Foi isso que nos permitiu fazer mais de um milhão de instalações em um semestre”, afirma Guerra.

Para o executivo, o principal ingrediente para alcançar os resultados tem sido o espírito de startup. “Estamos implementando uma política pública com uma visão de gestão privada: focada na eficiência e na satisfação do ‘cliente’, que nesse caso são os beneficiários”, diz.

Siga Antenado é o nome fantasia da EAF (Entidade Administradora da Faixa), organização não governamental e sem fins lucrativos, criada por determinação da Anatel para implementar políticas públicas de telecomunicações e conectividade. Ela executa as obrigações relacionadas à digitalização da TVRO (TV aberta por satélite), construção de infovias e de rede privativa para as compradoras da faixa de 3,5 GHz no leilão 5G da Anatel, ocorrido em 2021.

2 milhões em 20 meses

O programa começou em junho de 2022, no Distrito Federal, e, em seguida, avançou pelas capitais e regiões metropolitanas, de acordo com o cronograma previsto em edital. Desde 2023, a EAF vem liberando o agendamento para instalação gratuita do kit com a nova parabólica digital em municípios com mais de 100 mil habitantes e boa parte das cidades com população abaixo de 100 mil habitantes, incluindo os municípios com população menor que 30 mil pessoas.

Até fevereiro, eram 3.451 cidades com agendamento e instalação sendo executados. Até final de 2025, terão sido atendidos todos os 5.570 municípios brasileiros, incluindo neste número Distrito Federal e Fernando de Noronha. Essa assistência é oferecida sem custos para as famílias inscritas no CadÚnico e que tenham uma parabólica tradicional instalada e em funcionamento.

Mais de 1,4 milhão de instalações foram realizadas nas regiões Nordeste e Norte, onde ficam a maior parte dos inscritos no CadÚnico. Enquanto cerca de 600 mil ficaram divididos entre as regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul.

A substituição da parabólica é necessária porque o enlace de descida (downlink) da tecnologia 5G utiliza uma faixa de frequência muito próxima à Banda C, utilizada para transmissão do sinal de TV para as parabólicas tradicionais. À medida que o 5G é ativado nas cidades, os usuários da parabólica tradicional podem sofrer com interferência e até a perda completa do sinal de TV.

A EAF também está antecipando em mais de dois anos a preparação das estações satelitais profissionais (FSS) para a chegada do 5G no Brasil. O trabalho de desocupação da faixa de 3.700 MHz a 4.200 MHz realizado em 1.482 antenas profissionais que atuam na Banda C Estendida no Brasil foi finalizado em julho de 2023. Já a instalação de filtros para mitigação de interferências está sendo finalizada em 19.200 estações que operam na Banda C. A entrega, prevista no Leilão do 5G para 2026, tende a ser antecipada em mais de 18 meses.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10383