Desafios da digitalização no setor de saúde exigem mais dos profissionais

Para especialistas, a regulamentação avançou muito desde 2002 , mas agora espera por um amparo jurídico, a fim de que se possa implementar novos projetos de telemedicina.
Desafios digitalização setor saúde exigem dos profissionais. Crédito-Freepik
O 5×5 TEC Summit continua nesta quinta com as verticais finanças e entretenimento.

Os desafios da digitalização no setor de saúde, visto  o crescente uso de dados, IA, Telemedicina e a integração de novas soluções exigem novas atitudes e conhecimentos para os profissionais do setor na estratégia e construção de modelos sustentáveis. Esse foi o debate realizado pela vertical Saúde do 5×5 Tec Summit, promovido nessa quarta-feira, 7.

Para Caio Soares, presidente da Saúde Digital Brasil e diretor médico na Teladoc Health, houve um  avanço de 20 anos em dois durante o período da pandemia em termos de tecnologia  no setor de saúde e em especial para a telemedicina. “Além das  iniciativas existentes e outras que surgiram, a demanda dos serviços receberam muita aceitação e sucesso na modalidade não presencial. O sistema nunca mais será o mesmo. Ele será modalidade complementar ao sistema com benefícios que impactam a saúde individual e populacional. Não dá mais para imaginar o sistema de atendimento sem ela.” Segundo o médico, um dos gargalos no sistema público e privado  é o acesso ao sistema e  o tempo que leva entre o atendimento e sua resolução.

“Não se pode acreditar que os problemas  que existem presencialmente  serão eliminados no virtual, às vezes  até se repetem, mas existem boas possibilidades de logística, mais  proteção de dados  e outros benefícios aos usuários”, reforçou.

Soares aponta que hoje  o desafio desse segmento está ocorrendo em torno da regulamentação que já avançou muito  desde 2002 , mas que agora espera por um amparo jurídico, a fim de que se possa implementar novos  projetos de telemedicina.

“Houve muitas mudanças no perfil do profissional de saúde nos últimos anos, na sua  formação profissional   e muitas tecnologias já serão naturais nos  caminhos para a nova sociedade em poucos anos, daí se preparar para as mudanças em curso  ter uma legislação forte é imperativo “, reforçou o especialista.

Para ele , a expectativa das evoluções tecnológicas  são positivas  para o futuro da saúde, desde o poder de processamento das informações, da  implantação plena do 5G pela conectividade e para  projetos de prontuários únicos com interoperabilidade  que poderá beneficiar não só pacientes, mas os profissionais e a indústria em geral.

Segundo Cristian Rocha, cofundador & CEO do LAURA, o uso da IA e da arquitetura de dados possibilita levar a saúde preditiva ao alcance de um maior número de pessoas  neste cenário de tecnologias disruptivas. “O maior impacto da tecnologia ocorre  no desafio do tratamento dos dados com governança e tirar valor dos dados para uma  infinidade de sistemas dentro das instituições de saúde. “, salientou o especialista.

Para ele, a Saúde data driven já existe, mas  para conseguir usar o potencial  por meio dos dados, existem passos a serem alcançados como  a   interoperabilidade entre sistemas, a implantação de padrões semânticos e  –  até a aderência a protocolos internacionais  para melhor exploração destes dados, até se chegar ao uso em larga escala de IA e Machine Learning dentro dos hospitais e outros serviços, como exemplos dos novos desafios para a saúde.

Lucas Baraças, cofundador e CEO da Vigilantes do Sono,  lembrou também da  disrrupção na saúde representada pelas healthtechs.  “A sustentabilidade e os modelos de negócios  foram desafios já superados em parte  pelas  das startups de saúde, foram muitas as  dificuldades iniciais por questão de regulamentação, embasamento de pesquisas suportando as soluções e depois na busca de investidores para só então deslanchar o mercado”, frisou o especialista.

Ricardo Moraes, diretor médico de Soluções Digitais da Afya, evidenciou na sua apresentação como a tecnologia ajuda na  formação do profissional de saúde. “Aconteceu uma mudança no cenário da formação dos profissionais de saúde plugando soluções digitais com a interoperabilidade da Medicina, mais a realidade virtual  trazendo uma  transformação no core da educação profissional”, reiterou o especialista.

“Agora é importante nesta formação dar conhecimento  sobre as tecnologias  que farão parte do cotidiano desse profissional e ao mesmo tempo no incentivo a novas habilidades, com soft skill sendo importante diferencial para ele no novo mercado que está se apresentando”, disse.

“A jornada do médico em início de carreira ou dos que já estão atuando passa pela tecnologia seja  no suporte à decisão clínica, ao  diagnóstico, no tratamento – até na telemedicina.   Trazer essas ferramentas e soluções são fundamentais para o mercado, ampliando conhecimentos sobre finanças, a fim de possibilitar que ele saiba   estruturar, organizar, etc.,  a fim de melhorar a interação dos profissionais e pacientes e entre eles e os sistemas onde atuam”, ressaltou.

O 5×5 Tec Summit encerra-se hoje, quinta-feira, 8, com os temas Finanças e Entretenimento. Você pode assistir gratuitamente no site do evento

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10697