Com expansão da base de clientes, lucro da Brisanet sobe 74% no 2º tri

Lucro da Brisanet refletiu aumento da carteira na banda larga fixa. A rede móvel 5G segue em construção, e serviço será lançado neste trimestre.

Brisanet - sede pereiro ceará divulgação

O lucro da Brisanet saltou 74% no segundo trimestre deste ano, quando comparado ao mesmo período de 2022. Com isso, o resultado líquido chegou a R$ 43,9 milhões, o mais elevado entre as operadoras de pequeno porte que divulgam seus resultados.

O EBITDA, lucro antes de impostos, depreciações, juros e amortizações, cresceu 54%, para R$ 148,4 milhões. A margem EBITDA, índice referência para a rentabilidade da companhia, foi de 49% no período, alta de 8,6 pontos percentuais em relação à mesma época do ano passado.

Segundo empresa, isso aconteceu porque houve diluição dos custos fixos por causa do crescimento da base e por iniciativa de redução de custo adotadas a partir do segundo trimestre de 2022, bem como pela redução do ritmo de expansão da fibra.

A receita operacional líquida da companhia cresceu 27% na comparação ano a ano, atingindo R$ 300,2 milhões.

Houve a adição de 51 mil clientes (24% a.a.). A expectativa para 2023 é de chegar ao final de 2023 com ao menos 1,3 milhão de clientes. Entrante no segmento celular, ainda neste trimestre começam as vendas dos serviços 5G, informa.

A Brisanet apresentou dívida bruta de R$ 1,2 bilhão em junho de 2023 direcionado ao investimento na expansão geográfica de sua rede de fibra óptica e às futuras operações de 4G/5G. A dívida bruta é composta por empréstimos e financiamentos, debêntures, obrigações de arrendamento e operações com derivativos.

Considerando Caixa e aplicações financeiras ao final do período de R$455,1 milhões, a Companhia apresentou dívida líquida de R$757,3 milhões, comparado à dívida líquida de R$743,8 milhões ao final de 2022.

E embora esteja implantando rede 5G no Nordeste, a operadora reduziu os investimentos (Capex) no primeiro semestre deste ano, quando comparado ao primeiro semestre de 2022. Foram R$ 208 milhões de janeiro ao fim de junho deste ano, contra R$ 627,2 milhões no ano anterior.

A variação se deve à aquisição de equipamentos móveis para implantação futura. A Companhia tem um ‘estoque’ de equipamentos e construções para ativar nos próximos meses no valor de R$577,6 milhões. O Capex utilizado este ano foi destinado à passagem de fibra diante de 568 mil casas (HPs), 266 mil instalações em clientes e R$ 12 milhões em backbone.

A Brisanet encerrou junho com 33,6 mil km de backbone construído e 61,5 mil km de cabos FTTH (fiber-to-the-home) instalados. No segundo trimestre, foram adicionados 288 mil HPs.

A Brisanet continua avançando nas capitais e regiões metropolitanas, com market share em fibra entre 50 e 65% em Natal, Maceió e João Pessoa, e acima de 19% em Fortaleza. Em Teresina e Aracaju, onde a Companhia entrou no segundo semestre de 2021, o share já está acima de 14% na capital do PI e acima de 22% na capital do SE.

Avatar photo

Rafael Bucco

Artigos: 4197