Cartões movimentam R$ 2,6 trilhões em 2021, alta de 33%

A projeção da Abecs para as operações com cartões em 2022, no entanto, é para um crescimento de menor proporção, de cerca de 21%.
Cartões movimentam R$ 2,6 trilhões em 2021, alta de 33% - Crédito: Divulgação
Pedro Coutinho, presidente Abecs – Crédito: Cláudio Belli/Divulgação

As compras realizadas por meio de cartões de crédito, débito e pré-pagos cresceram 33,1% em 2021, somando R$ 2,6 trilhões.  Os resultados foram divulgados nesta quinta-feira, 10, pela Abecs, associação que representa o setor de meios eletrônicos de pagamento.

A projeção da Abecs para 2022, no entanto, é para um crescimento de menor proporção, de cerca de 21%. “No Brasil, a nossa preocupação segue com o tema da inflação, com o aumento da taxa de juros, com o crescimento do PIB e com o momento político que estamos vivendo”, ponderou o presidente da Abecs e CEO da GetNet, Pedro Coutinho.

A expectativa da entidade é que as operações com os cartões ultrapassem a cifra de R$ 3 trilhões em 2022, representando 60% do consumo das famílias.

Cartão de crédito

Na comparação entre as modalidades, o cartão de crédito foi o meio de pagamento que apresentou o maior valor transacionado no ano passado, registrando R$ 1,6 trilhão, o que representou um crescimento de 36,6%. Em seguida, o cartão de débito movimentou R$ 916,3 bilhões (alta de 20,2%), e o cartão pré-pago, R$ 117,1 bilhões (alta de 158,5%).

Em quantidade de transações, foram ao todo 31,1 bilhões de pagamentos com cartões, o equivalente a quase 85 milhões por dia, 33,4% a mais do que no ano anterior.

Pagamento por aproximação

Os pagamentos por aproximação (tecnologia NFC) atingiram R$ 198,9 bilhões em 2021, uma alta de 384,6%. Segundo a Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços), uma em cada quatro transações feitas no cartão de crédito são feitas por meio desta modalidade.

No crédito, os valores transacionados por meio dessa tecnologia em 2021 foram de R$ 111,1 bilhões, alta de 489,1%. No débito, o número foi de R$ 58,1 bilhões, alta de 198% e no pré-pago, foram R$ 29,7 bilhões, alta de 1.002%.

Pedro Coutinho prevê que, em 2022, os pagamentos por aproximação devem representar 50% de todas as operações feitas com cartão de crédito.

Ainda de acordo com o balanço da Abecs, os brasileiros continuam ampliando o uso dos cartões na internet, em aplicativos e outros tipos de compras não presenciais, movimentando R$ 569,7 bilhões em 2021, alta de 30,8%. Atualmente, os pagamentos não presenciais representam 35% de todos os gastos realizados com o cartão de crédito.

Gastos no exterior

Os gastos de brasileiros no exterior tiveram pequena redução de 0,7% em relação a 2020, somando US$ 3,44 bilhões (R$ 18,6 bilhões). Já as compras realizadas por estrangeiros no Brasil subiram 13,9%, registrando US$ 2,46 bilhões (R$ 13,3 bilhões).

Inadimplência

A inadimplência no cartão deve voltar a crescer, segundo a Abecs. “A inadimplência já subiu, mas não na mesma velocidade que caiu. A gente acredita que terá um aumento. Hoje ela está próxima de 5%, vai subir, mas não acreditamos que vá chegar nos 8% que vimos em 2020, até pela melhor aferição de crédito, medição de risco. Hoje a indústria tem capacidade de concessão de crédito muito boa”, ressaltou Pedro Coutinho.

Avatar photo

Redação DMI

Artigos: 1772