Câmara ‘entrou na contramão’ ao reincluir C&T no arcabouço, dizem entidades

'A Câmara dos Deputados fez uma escolha na contramão do desenvolvimento em um mundo globalizado da sociedade do conhecimento', diz nota conjunta da ABC e SBPC.
Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou emendas que blindariam ciência e tecnologia do arcabouço | Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

A Academia Brasileira de Ciências (ABC) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) divulgaram nota conjunta nesta quarta-feira, 22, repudiando a decisão da Câmara dos Deputados em reincluir os gastos com Ciência e Tecnologia (C&T) nas limitações de despesas do novo arcabouço fiscal.

“A Câmara dos Deputados fez uma escolha na contramão do desenvolvimento em um mundo globalizado da sociedade do conhecimento”, criticam as entidades.

O projeto, PLP 93/2023, de autoria do Executivo, prevê que o crescimento da despesa no orçamento anual deve ficar dentro de uma margem de 0,6% a 2,5% ao ano, desde que não ultrapasse o valor equivalente a 70% do crescimento total da receita apurada nos últimos 12 meses.

Ao tramitar no Senado Federal, parlamentares incorporaram três exceções, retirando do limite de gastos as despesas da União com o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), o Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF) e as áreas de ciência, tecnologia e inovação.

Com a mudança, o texto voltou para a Câmara, onde não houve consenso para todas as exclusões, segundo o relator. Ficou mantida apenas blindagem ao Fundeb e ao FCDF. Emendas para dar excepcionalidade à C&T foram rejeitadas em plenário.

Para a SBPC e ABC, a decisão mostra “a falta de compreensão da importância da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) para o desenvolvimento econômico, social e sustentável da nação brasileira por parte da Câmara dos Deputados”.

“Lembramos que as nações que estão entre as maiores economias do mundo só chegaram a esse patamar com investimentos robustos em educação e CT&I”, destacam as associações.

Além das entidades, o tratamento diferenciado ao setor de C&T foi ponto defendido também pela ministra de Ciência e Tecnologia, Luciana Santos, que fez declarações à imprensa nas últimas semanas afirmando que estava em diálogo com os deputados sobre o tema.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10568