Vivo instala redes privativas capazes de migrar de 4G para 5G

Por meio da Telefónica Tech, operadora tem investido no serviço de orquestração de redes privadas e desenvolvido dispositivos otimizados para atividades críticas
Leandro Rebouças, gerente de Produtos da Telefónica Tech IoTCo,
Em evento do Tele.Síntese, Leandro Rebouças, gerente de Produtos da Telefónica Tech IoTCo, destaca como a Vivo tem atuado no ramo de redes privativas

Atuando como orquestradora de redes privativas, a Vivo tem se preparado para atualizar os parques de conectividade montados em 4G para a tecnologia 5G, caso seja de interesse dos clientes. Até o momento, todas as redes privadas instaladas pela operadora utilizam a quarta geração móvel, mas podem ser migradas para a geração mais avançada.

“Já deixamos toda a arquitetura da rede [privativa] preparada para isso, minimizando a transferência para o 5G”, afirmou Leandro Rebouças, gerente de produtos da Telefónica Tech, braço da Vivo para transformação digital, nesta sexta-feira, 28, em palestra no evento IoT e as Redes Privativas, realizado pelo Tele.Síntese.

“Hoje, com 4G, já é possível atender bem as empresa, mas nos preparamos para levar o 5G também”, complementou.
Em sua fala, Rebouças destacou que as empresas estão começando a enxergar a infraestrutura de conectividade como insumo para suas atividades. Segundo ele, os setores que estão puxando a demanda por redes privativas são manufatura, mineração, óleo e gás, logística e utilities.

Inclusive, nesse segmento, a operadora tem contratos em vigor com a Vale, fornecendo conectividade para atividades em minas subterrâneas e caminhões autônomos, e com a Petrobras, interconectando as operações em terra (onshore) e no mar (offshore).

Para garantir o melhor desempenho para missões críticas, a companhia desenvolveu terminais resistentes a baixas e elevadas temperaturas, quedas e colisões, como aparelho celular, rede veicular, body cam e notebook otimizados para uso industrial.

“Temos que levar benefícios aos nossos clientes através de redução de custo, aumento de produtividade e ganho de eficiência. É uma visão de ecossistema em diversos movimentos. Hoje, a conectividade é um insumo para habilitar soluções e a interação homem-máquina”, afirmou Rebouças.

Há pouco mais de um ano, a Vivo criou a Telefónica Tech, empresa dedicada a soluções de Internet das Coisas (IoT), redes privativas e serviços digitais para o setor corporativo. As aplicações fornecidas também contam com big data e Inteligência Artificial (IA). Combinadas, possibilitam, entre outras vantagens, a realização de análises preditivas.

“Queremos levar essa transformação de forma agregada ao nosso cliente”, pontuou o gerente da Telefónica Tech.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 853