Vivo economiza 72 GWh com medidas de eficiência energética

Empresa divulgou seu relatório alinhado ao ESG onde quantifica em 0,9 % sua participação para o PIB brasileiro em 2022
Eficiência energética na Vivo
Eficiência energética na Vivo

A Vivo divulgou seu relatório de sustentabilidade e informe social onde apresenta os resultados dos esforços que vêm sendo feito como parte da agenda ESG  (Governança Ambiental, Social e Corporativa) e outras áreas relacionadas tendo como base o desempenho do ano passado. Entre as novidades, a empresa informa que as medidas energéticas adotadas pela companhia trouxeram uma economia de 72 GWh o que é equivalente ao consumo de energia de uma cidade como Indaiatuba, em São Paulo.

A empresa também fez um estudo para quantificar a sua participação para o PIB brasileiro no ano passado, chegando à conclusão de que ela foi de 0,9 %  e a contribuição para geração de empregos no país em 2022 atingiu 0,5% do total de postos de trabalho no mercado brasileiro. No mesmo período, pagou R$ 12, 39 bilhões em tributos federais, estaduais e municipais.

Este mês, ela divulgou a emissão de 3,5 bilhões de SLBs (Sustainability–Linked Bonds), debêntures vinculadas ao atingimento de metas ESG. como de carbono e diversidade racial. No ano passado, ela obteve 49% de redução de emissões próprias de CO2 e 88% no acumulado desde 2015. Ela conta com 48 usinas operacionais em geração distribuída de energias solar, hídrica e biogás. 

A empresa investe em três projetos de crédito de carbono e desde o ano passado tem apoiado programas que restauram florestas nativas brasileiras. Estão nesse cenário, apoio ao Redd Vale do Jari, iniciativa desenvolvida pela Fundação Jari e Biofilica SA que se propõe a capacitar agricultores com técnicas de manejo sustentável no Pará e no Amapá; a Redd Evergreen, que promove alternativas de rendas para as comunidades extrativistas no Bioma Amazônico; reflorestamento multiespécies no Mato Grosso.

Social e governança

Na área social, a Vivo divulgou em seu relatório que investiu R$ 58 milhões na Fundação Telefônica, passou a contar com 35,1 % de mulheres em cargos de liderança e 44,3% no total e da mesma forma obteve um quadro com 22.4 % de negros também em cargos de liderança e 33,6% no total. Ela tem ainda 6% de funcionários que se autodeclaram LGBTI + e 2,3% pessoas com deficiência.

Em termos de governança, além da emissão das debêntures, a Vivo destacou a criação da Vivo Ventures, com fundo de R$ 320 milhões. A operadora investiu via Wayra em 26 startups com valor de mercado de R$ 2,3 bilhões.

 

 

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10673