Reforma tributária: Novo relatório garante regime diferenciado e prevê ajustes em contratos

O compartilhamento de infraestrutura de telecomunicações é uma das operações que terão detalhes de creditação definidos em lei complementar, agora, com edição obrigatória.
Reforma tributária: Novo relatório garante regime diferenciado e prevê ajustes em contratos | Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
CCJ do Senado aprova reforma tributária, com novas implicações para telecom | Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal aprovou nesta terça-feira, 7, a proposta de reforma tributária. O texto que agora vai ao Plenário conta com uma complementação de voto do relator Eduardo Braga (MDB-AM), que beneficia os setores com previsão de receber regime diferenciado. Enquanto a redação anterior dava margem à interpretação de que o tratamento de exceção seria facultativo ao usar o termo “poderá”, a nova versão do parecer expressa que “deve” ocorrer a edição de uma lei complementar para a medida.

O regime diferenciado é a alternativa encontrada para alcançar alguns setores que reivindicam tratamento específico sem ter que ampliar o rol de produtos e serviços que terão alíquota reduzida. De acordo com o relator, a princípio, trata-se de regras específicas para creditação.

Entre as operações que receberão regime diferenciado estão aquelas que envolvem a disponibilização da estrutura compartilhada dos serviços de telecom. A inclusão leva em conta o objetivo de universalizar o acesso à internet no país.

O ajuste no texto ocorre por meio das emendas dos senadores Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) e Vanderlan Cardoso (PSD-GO).

ICTs e Contratos

O novo relatório amplia a isenção para os serviços prestados por Instituição Científica, Tecnológica e de Inovação (ICT) sem fins lucrativos também para o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços – IBS – (que substitui ICMS, ISS), enquanto que o texto anterior zerava a alíquota apenas para a Contribuição sobre Bens e Serviços – CBS – (que entra no lugar do IPI, PIS e Cofins). A proposta foi do senador Izalci Lucas (PSDB-DF)

Braga também acatou uma emenda do senador Zequinha Marinho (Podemos-PA), que trata das regras de transição para contratos assinados antes da promulgação da reforma tributária. O texto prevê que “lei complementar estabelecerá instrumentos para a preservação do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, inclusive de concessões públicas, celebrados” até a edição das normas que regulamentam o novo regime fiscal.

Como justificativa para a emenda, Marinho destacou que “muitos projetos licitados pela União, estados e municípios implicam a prestação de serviços essenciais, cujos preços das tarifas praticadas estão diretamente ligados ao regime fiscal vigente” e que “alterações que levem ao incremento da carga tributária de concessionários impõem a imediata revisão contratual para preservar a sustentabilidade financeira dos projetos – medida essa que traduz, aliás, um
desdobramento inafastável do princípio constitucional da segurança jurídica”.

Ainda segundo o autor, a ideia é que “se garanta a aplicabilidade de instrumentos de ajustes contratuais voltados à manutenção do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos firmados até a edição das leis complementares, viabilizando-se, ainda, a adoção de instrumentos provisórios ou cautelares com tal finalidade.”

Cashback e desoneração

Braga incluiu o botijão de gás no cashback – a devolução de impostos para pessoas de baixa renda. No entanto, telecom continuou de fora.

As emendas que buscavam incluir a desoneração da folha no texto da reforma tributária foram rejeitadas. “O governo está trabalhando na construção de um projeto que envolve a questão da renda e que tem impactos, obviamente, na Previdência. Portanto, precisa ter uma equação por parte do governo. E esta emenda que eu estou relatando trata da questão de consumo, portanto, seria uma invasão”, explicou Braga na sessão.

Avatar photo

Carolina Cruz

Repórter com trajetória em redações da Rede Globo e Grupo Cofina. Atualmente na cobertura dos Três Poderes, em Brasília, e da inovação, onde ela estiver.

Artigos: 884