Reconhecimento facial em smartphone ganha mercado

Pesquisa revela que reconhecimento facial para desbloquear o celular já é usada por 43% dos usuários
A pesquisa realizada pela Panorama Mobile Time/Opinion Box Senhas e Biometria Digital revelou que o reconhecimento facial em smartphone entrou definitivamente na rotina digital móvel do brasileiro, passando de 29% para 43%, em um ano. Os números confirmam que o recurso de segurança caminha para se consolidar entre os brasileiros, ficando atrás apenas da leitura de digital, que é a mais utilizada no País e que passou de 45% para 46%. 

Os jovens de 16 a 29 anos (48%) são os que mais experimentaram o reconhecimento facial nos últimos 12 meses, de acordo com a pesquisa, contra 43% na faixa de 30 a 49 anos e 37% por pessoas com 50 anos ou mais (37%). O recurso é mais usado por 54% dos brasileiros com smartphone das classes A e B, contra 41% das classes C, D e E. 

A pesquisa também detectou que na leitura de digital no smartphone não há diferença significativa por classe social entre os usuários, mas, na faixa etária, os jovens de 16 a 29 anos, mais uma vez, são os maiores adeptos dessa tecnologia (53%). Sua adoção caiu para 46% no grupo de 30 a 49 anos e diminuiu para 38% na faixa etária com 50 anos ou mais. 

A impressão digital é o meio mais utilizado para desbloqueio do celular pelo brasileiro, apontada por 46% dos donos de smartphone no País. Sua popularidade pode ser explicada por se tratar de uma tecnologia presente em praticamente todos os modelos de smartphone vendidos atualmente no país

Por sua vez, o desbloqueio por reconhecimento facial subiu de 10% para 17% em um ano, ocupando o segundo lugar como meio mais usado para liberar o celular no Brasil. A biometria facial está tirando espaço principalmente da autenticação através de desenho na tela, que caiu de 20% para 14%. O uso de senha numérica segue estável, sendo o método preferido de 14% dos brasileiros com smartphone. De maneira geral, os mais jovens preferem o desbloqueio por biometria, seja facial ou leitura de digital, enquanto o uso de senha, seja numérica ou um desenho na tela, encontra maior penetração no público a partir de 50 anos de idade.

Apenas uma minoria, 5% dos brasileiros, não bloqueia a tela do celular. No ano passado, a proporção de usuários que declararam ter este hábito era de 7%. A incidência é maior no grupo acima de 50 anos (8%).

A pesquisa entrevistou entre os dias 19 e 26 de outubro deste ano 2.080 brasileiros que possuem smartphone. A margem de erro é de 2,1 pontos percentuais e o grau de confiança é de 95%. 

Avatar photo

Redação DMI

Artigos: 1797