Pharol insiste na assembleia da Oi no dia 7

A portuguesa Pharol, que detém mais de 25% das ações da Oi, antes de sua diluição prevista no acordo de Recuperação Judicial, afirma que a lei brasileira permite ao acionista majoritário convocar assembleia.

TeleSintese-Pessoas-Greve-Manifestacao-apresentacao-publico-reuniao-coletivo-Fotolia_144818200

A Pharol, maior acionista da Oi, antes da diluição proposta aos credores no Plano de Recuperação Judicial homologado pela justiça, publicou hoje, 5, comunicado ao mercado, ratificando que está convocando uma assembleia geral de acionistas para o próximo dia 7 de fevereiro. Conforme a empresa portuguesa, que possui 25% do capital da concessionária, a assembleia irá deliberar sobre:

a) “matérias de competência exclusiva dos Acionistas da Oi, que, da forma proposta pela Diretoria Estatutária no Plano de Recuperação Judicial da Oi, violariam os termos do seu Estatuto Social em vigor, e (b) sobre a ação de responsabilidade contra administradores da Oi”.

Segundo o a empresa, ela teria sido surpreendida com o comunicado da Oi, de 2 de fevereiro, que informava o cancelamento da assembleia. ” Trata-se de mais um ato arbitrário da Oi em violação a direitos essenciais dos seus acionistas. ”

No entender da Pharol, a assembleia foi convocada conforme a legislação em vigor. E a reunião vai tratar de outros temas, além aos vinculados à recuperação judicial e por isso “não há decisão judicial que determine o cancelamento da referida Assembleia Geral”.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10596