Nokia transmite 800 Gbps de dados por quase 8 mil km usando um só feixe de luz

Experimento bem-sucedido do Bell Labs pode resultar em redução dos custos de conexões transoceânicas; empresa também conduziu piloto de 41 Tbps a uma distância de 291 km em banda C
Em teste, Nokia alcança 800 Gbps na transmissão óptica submarina
Nokia alcançou velocidades altas em testes de transmissão óptica submarina (crédito: Freepik)

A Nokia anunciou, nesta terça-feira, 10, que conseguiu, por meio de testes, realizar transmissões ópticas submarinas de altíssima velocidade. Os feitos foram obtidos pelo centro de pesquisa Nokia Bell Labs.

O primeiro experimento conseguiu estabelecer uma taxa de transmissão de dados de 800 Gbps a uma distância de 7.865 km usando um único comprimento de onda de luz.

Segundo a Nokia, a distância é duas vezes maior do que os equipamentos de última geração podem transmitir com a mesma capacidade.

Em termos geográficos, a quilometragem se aproxima da distância entre Seattle, no noroeste dos Estados Unidos, e Tóquio, no Japão. O marco foi alcançado pelo Nokia Bell Labs em testes de pesquisa óptica na sede de Paris-Saclay, na França.

Banda C

A desenvolvedora de equipamentos de telecomunicações também informou ter alcançado outro recorde.

Um projeto conduzido pelo Bell Labs em parceria com a Alcatel Submarine Networks (ASN), subsidiária da Nokia, estabeleceu uma taxa de transferência líquida de 41 Tbps sobre 291 km através de um sistema de transmissão não repetido em banda C – a tecnologia é mais usada para conectar ilhas e plataformas offshore entre si e com o continente.

Na mesma distância, o recorde anterior para esse tipo de sistema era de 35 Tbps.

Em nota, a Nokia destacou que ambos os recordes fora obtidos através de inovações tecnológicas com taxas de transmissões mais altas. A companhia ressaltou que as pesquisas que viabilizaram os registros terão impactos significativos na próxima geração de sistemas submarinos de transmissão óptica.

“Embora as futuras implantações de fibra submarina aproveitem as vantagens de novas tecnologias de fibra, como multimodo e multicore, as redes de fibra submarinas existentes podem aproveitar a próxima geração de transceptores com taxas de transmissão mais altas para aumentar seu desempenho e aumentar sua viabilidade a longo prazo”, assegurou a fabricante finlandesa.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 886