IBM trabalha em IA capaz de prever ataques cibernéticos

Companhia aponta que solução tem obtido resultados positivos em testes em ambientes controlados; também aponta que empresas precisam proteger as próprias IAs de vírus maliciosos
IBM trabalha no desenvolvimento de IA capaz de antecipar ataques cibernéticos
IA capaz de prever ataques cibernéticos já é uma realidade, diz IBM (crédito: Freepik)

Entusiasta das soluções de Inteligência Artificial (IA), a IBM trabalha em uma ferramenta com base nessa tecnologia que seja capaz de prever a ocorrência de ataques cibernéticos, evitando, assim, que empresas só descubram que foram alvo de uma invasão muito tempo depois de o malware se instalar.

Segundo Marco Chaves, líder de Serviços de Cibersegurana da IBM Consulting, a companhia tem feito testes em ambientes controlados com a tecnologia para simular uma ação defensiva em resposta a indícios de um possível ataque.

“Já temos casos reais detectados de ameaças que poderiam levar a ataques – e a tecnologia serviu para impedi-los”, afirmou, em evento online com jornalistas, nesta quinta-feira, 18. “Existem ainda muitas alucinações [respostas de IA aparentemente não justificadas por treinamento], porque ainda estamos em fase de amadurecimento da solução”, acrescentou.

Chaves ressaltou que a tecnologia preditiva, no âmbito de ataques cibernéticos conduzidos por IA, já é uma realidade e que o Brasil será um mercado que a IBM deverá atender. “Não tem como não considerar o Brasil dentro da nossa estratégia global”, pontuou.

Segurança e IA

Segundo a IBM, a visão de segurança deve ocorrer em via dupla. Isso porque os cibercriminosos usam IA para atacar as empresas. Desse modo, as organizações precisam prover soluções de segurança para IA, no sentido de proteger dados e modelos, e usar a IA como ferramenta de segurança, como forma de acelerar a previsão, a detecção e a resposta a incidentes.

Pesquisas da companhia indicam que, com o auxílio da IA, as empresas reduzem em 85% o tempo para responder a incidentes e melhoram em até oito vezes o tempo de resposta a invasões.

Fábio Mucci, líder de Software de Cibersegurança da IBM Brasil, afirmou que o tempo médio entre a invasão de um malware e a empresa perder os dados gira em torno de 277 dias – na prática, o vírus malicioso permanece em estado “dormente” absorvendo informações da companhia.

“Com a IA, o ciclo de vida do ataque no Brasil pode ser reduzido em 68 dias, com a economia chegando a até R$ 3,41 milhões”, apontou Mucci.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 711