Federação de operadoras cria Open Gateway e abre suas redes ao mundo

Vinte operadoras, que congregam mais de 3 bilhões de clientes no mundo, assinaram memorando para estimular o Open Gateway e permitir que os desenvolvedores criem APIs abertas com uso de suas redes.
José María Álvarez-Pallete (esquerda) cumprimenta Mats Granryd, diretor geral da GSMA, na abertura do MWC 23, pouco antes de anunciar a iniciativa Open Gateway
José María Álvarez-Pallete (esquerda) cumprimenta Mats Granryd, diretor geral da GSMA, na abertura do MWC 23, pouco antes de anunciar a iniciativa Open Gateway

Barcelona – O CEO da Telefónica e também Chairman da GSMA, que organiza o Mobile World Congress, José María Álvarez-Pallete, anunciou hoje, 27, o Open Gateway, iniciativa  global da indústria que, “une empresas de telecomunicações, indústria, grandes tecnologias e desenvolvedores para criar o futuro digital juntos”.

A expectativa do executivo é que esse movimento consiga resgatar o mesmo papel de liderança da  indústria de telefonia móvel na disseminação da tecnologia 3G, quando lançou o padrão GSMA.

“Precisamos criar outro novo padrão que consiga unir todo o globo, assim como o GSMA atuou com a interoperabilidade e o roaming”, afirmou o executivo na abertura oficial da Feira. 

A Open Gateway, explicou Pallete, permitirá o compartilhamento e a federação de APIs (Application Programming Interfaces) abertas e padronizadas para fornecer acesso interoperável às redes das operadoras para desenvolvedores e serviços hiperescaláveis.

“Isso criará um novo mundo de oportunidades para a indústria. Será um catalisador para todos esses serviços avançados atingirem seu potencial e atingirem massa crítica. E vai gerar escolha e entregar valor para os consumidores”, disse o presidente da Telefónica.

Computação Planetária

Na visão do executivo, todo o setor de telefonia celular migrará da atual mobilidade para a era da computação móvel planetária, ou seja, uma rede global em nuvem e única, que migrará para as pontas de todas as redes de telecom. Para a construção dessa nova nuvem que irá migrar para a ponta, parcerias com o Google, Microsoft e AWS, da Amazon. Oito APIs já começam a ser desenvolvidas com base nessa nova iniciativa.

Para Pallete, a indústria enfrenta um ponto de inflexão: “Estamos às portas de uma nova mudança de era impulsionada pela interseção de Telco, Computação, Inteligência Artificial e Web3”.

José María Álvarez-Pallete acredita que a aliança da inteligência artificial com a Web 3.0 irá estimular que a indústria de tecnologia e de telecom atuem juntas. “As telcos irão se transformar em super computadores e esse novo mundo precisa de colaboração e entre todos”, afirmou o executivo.

Mas no fim de sua apresentação, não deixou de abordar um tema que é precioso para a operadora. “É preciso criar um ecossistema igualitário e massivo”, concluiu.

Além da Telefónica, participam da iniciativa America Móvil, AT&T, Axiata, Bharti Airtel, China Mobile, Deutsche Telekom, e& Group, KDDI, KT, Liberty Global, MTN, Orange, Singtel, Swisscom, STC, Telenor, Telstra, TIM, Verizon e Vodafone.

Avatar photo

Miriam Aquino

Jornalista há mais de 30 anos, é diretora da Momento Editorial e responsável pela sucursal de Brasília. Especializou-se nas áreas de telecomunicações e de Tecnologia da Informação, e tem ampla experiência no acompanhamento de políticas públicas e dos assuntos regulatórios.
[email protected]

Artigos: 2174